Header Ads

Resenha - Memórias de um burro

by imagem - Rita Kirkman's




Memórias de um burro é um clássico infanto-juvenil da literatura russa. Escrito pela Condessa de Ségur e publicado pela primeira vez em 1860, recentemente, ganha nova edição pela Editora Autêntica.

“Não me lembro da minha infância, mas provavelmente fui infeliz como todos os burrinhos, bonito e gracioso como todos somos.”

O livro conta a história de Cadichon, narrador, um burro muito esperto que tem muito a ensinar aos humanos e também aprender. Cadichon reivindica o direito ao respeito, cuidado e afeto que nem sempre é proferido aos animais, o que torna a obra atual, a julgar que é ainda vemos casos de maus tratos e abandono aos animais.



Apesar de ser outros tempos, a história de Cadichon ainda revela um traço da humanidade de agredir a natureza e a isso inclui os animais. A história desse Burro paira pelo humor, aventura e pelo constante aprendizado. Todos e todas que conhecem Cadichon acabam de alguma forma tocados (as) pela sua esperteza e sensibilidade agudos.

“Os homens, não podendo saber tudo o que sabem os burros, ignoram, sem dúvida – e vocês, que estão lendo este livro, também não têm ideia do que todos os burros amigos meus sabem”

Cadichon, ao longo da história, tem vários donos e por passar por diversas experiências que variam entre inusitadas – quando se escondia de seu dono para não ir trabalhar – divertidas – ao brincar com as crianças – cruéis – quando era espancado, humilhado, etc. – e inusitada – ao ajudar policiais a prender um bando de assaltantes e sequestradores.

A partir dessas experiências, o Burro se envolve nas situações a ponto de trabalhar o próprio ego e também humaniza o Homem (utilizo o termo em seu sentido geral) a pensar que ele habita neste planeta com outros seres. Mais que isso, o narrador põe em cheque os seres humanos na tentativa de se desvincular do reino anima. Ora o narrador, o Burro, tem características humanas, ora o humano tem características animalescas.  

Este não foi um livro que li na infância, mas gostaria de ter lido e vou guardar para apresentar a todas as crianças que por mim passarem. Infelizmente, a tradução me causou certo incômodo, o vocabulário excessivamente moderno que não condiz com um livro russo escrito em 1860.  

Sobre a autora: Sophie Feodorovna Rostopchine, a Condessa de Ségur (São Petersburgo, 1 de agosto de 1799 — Paris, 9 de fevereiro de 1874) foi uma escritora russa, largamente conhecida no século XIX, como autora de obras-primas de literatura infantil. Criadora de personagens eternos para o imaginário infantil, suas principais obras são "Sofia, A Desastrada" (ou, no Brasil, "Os Desastres de Sofia"), "Meninas Exemplares" e "As Férias", em que desenvolvem-se os personagens-mirins Sofia, Paulo, Camila e Madalena, além de "Memórias de um Burro".

6 comentários:

  1. Oi, amei conhecer esse livro pelo seu post e saber da existência dessa autora. Acho super interessantes as obras que são protagonizadas por animais e fiquei curiosa para ler esse livro e conhecer esse burro.

    ResponderExcluir
  2. Olá, que dica de leitura preciosa, um livro muito fascinante adorei saber da existência dele, gostei muito quero tentar encontrar para leitura também!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou uma pessoa que fujo de qualquer tipo de entretenimento que envolva bicho kkkk sou traumatizada. Quando você fala ali das partes da história do burrinho, eu já tava esperando o ponto que ele sofria porque sempre tem. Não conhecia e nem sabia que era algo lido para crianças, mas parece um jeito bem interessante de trabalhar com elas assuntos importantes.

    ResponderExcluir
  4. Que dica de leitura mais amor essa! Não conhecia o livro, mas com certeza deve ser uma leitura cheia de significados. Adorei saber mais.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Que indicação mais legal. Gosto de conhecer livros de nacionalidades diferentes ainda mais quando trazem tantos ensinamentos. Fiquei admirada do quão o livro é antigo. Não conhecia mas fiquei curiosa pela leitura. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma