Header Ads

ORA BOLAS, QUE INFERNO... / LEONARDO NÓBREGA

Inferno (detail) by Franz von Stuck, 1908.




Reavaliando minha vida descubro que pelo que fiz e disse no passado, como me comportei enquanto aqui estive e pela falsidade com que tratei pessoas intragáveis, fatalmente irei para o inferno. Acontece que sou (como diria a grande Rachel de Queiroz) Ateu graças a Deus, e assim fica difícil achar que na triagem da vida, no julgamento final, serei encaminhado a uma danação eterna em um lugar que não acredito existir. Porém, caso isso aconteça (ninguém nunca voltou para contar o que acontece) fiquei com um desassossego crescente: para qual inferno eu seria destinado? São tantos quantas religiões e seitas existem. Essa decisão será minha ou existe um comitê avaliador? Será, na outra vida, uma ditadura e só um ser dita as regras? Seria um bingo ou uma espécie de loteria? Nesse caso, estaria perdido, nunca ganhei nada em jogos de azar ou de sorte, certamente iria para o pior dos infernos, aquele em que a cerveja é aguada, o tira-gosto é Salo (gordura de porco crua), a música é ruim e em um volume absurdamente alto, não tem onde sentar, sem wifi e sinal de celular, sem pão ou Netflix e, pior, onde não existe aposentadoria, onde se trabalha por toda a eternidade. Um inferno em que não existe um Demônio chefe, mas sim um Capetão ignorante, cruel, sem coração e ajudado por três capetinhas sádicos, psicóticos e chorões. Um inferno onde ninguém tem boca ou braços, portanto sem beijos ou abraços.

Posto que não creio em um inferno padrão ocidental e cristão, penso que, talvez possa escolher, ou ao menos tentar influenciar, o inferno onde passarei a eternidade ou muito tempo até reencarnar (se é que existe isso também) me convertendo a alguma Religião / Filosofia onde o inferno não apresente tanto sofrimento como o tradicional. Então resolvi avaliar as opções que tenho para me inserir como crente, devoto ou seguidor para desfrutar de um pós-vida menos sofrido, afinal não sei quanto tempo durará minha estada naquele vale de lágrimas.



Pesquisei algumas religiões e seus infernos, mas fiquei com várias dúvidas e minha busca quase foi em vão. Não foi nada fácil decidir, mas, consegui. Primeiro me encantei pelo Budismo, afinal muitos dizem que sequer existe inferno para os budistas, ledo engano, descobri que, ao contrário, existem dezoito níveis do Samsara, são infernos frios, quentes e limítrofes a esses, para onde o “pecador” será enviado de acordo com o Karma acumulado para expiação. A maior vantagem desse é que ele é passageiro ficamos presos a ele não pela eternidade, mas até conseguir melhorar o Karma encarnação após encarnação e ascender finalmente ao Nirvana, ou seja, a um estado de felicidade plena. Entretanto há uma desvantagem para minha pobre alma já tão sofrida e esgaçada, esse inferno é localizado em cavernas subterrâneas e eu sou meio que claustrofóbico. Então, embora achando que esse é relativamente leve, pensei: vai que tem outros mais fáceis de suportar que não lembrem um exame de ressonância magnética. Continuei minha busca.

Caminhando de inferno em inferno me deparei com um mitológico (e todos não o são?), o Niflheim, mas, desse fugi correndo o mais rápido que meu gordo corpo conseguiu carregar sua alma para longe daquele lugar dominado por um dragão que se alimenta dos mortos antes que os coitados cheguem a Deusa Hela com seu cão Garm (em alguns textos é uma cobra). Entendam, o Dragão até que não é impossível de encarar, mas fui mordido por um Cão Pequenez quando era criança e morro de medo de cachorros desde então, parece bobagem porque, afinal, já estaria morto mesmo, mas, e se os medos forem conosco? Decidi continuar minha análise e visitei a Casa das Mentiras, do Zoroastrismo; o Yomi da religião japonesa Shinto; o Geena judeu, mas, para esse, eu precisaria me submeter a circuncisão e sou meio covarde quando o tema é cortar partes do meu corpo (algumas em especial). Procurei, então, o inferno Maia, uma cultura que sempre admirei, porém, na verdade não é bem um inferno, é mais um submundo representado por doença e morte. Ali existem cinco casas de acordo com a gravidade dos “pecados” cometidos enquanto zanzamos por aqui: 1) Casa Escura, onde só existem trevas; 2) Casa do Frio, onde o vento sopra insuportável eternamente; 3) Casa dos Jaguares, abarrotada desses animais; 4) Casa dos Morcegos, onde há milhares deles voando, gritando incessantemente; e, enfim, a 5) Casa das Facas, na qual só existem facas extremamente afiadas. Nenhuma dessas casas me pareceu acolhedora como a casa de mamãe, embora a casa 4 guarde alguma semelhança no quesito “gritos incessantes”. Entretanto, não creio que possamos repetir os castigos mundanos quando formos para os infernos.



Por fim tomei uma decisão. Resolvi tentar uma vaga transitória e de curta permanência no Tuonela, reino dos mortos da mitologia finlandesa. Nele não há castigos de qualquer tipo, é apenas um lugar para onde os mortos vão. É como um prolongamento da Terra para onde os defuntos devem levar alguns aparelhos terrenos para terem uma vida mais confortável e, inclusive, os parentes e amigos vivos podem visitar o seu espectro querido, mas, nesse caso, não existe garantia de retorno, os vivos podem não conseguir voltar e ficarem presos na margem errada do Rio Tuoni.

Claro que não sei se é possível escolher ou se o Tuonela não é xenófobo e almas latinas não poderiam entrar por lá, mas caso exista uma chance me parece o menos ruim de todos, afinal lá é a continuação da vida na Terra só que uma Terra mais sombria e, infelizmente, sem cerveja, nem aguada.



47 comentários:

  1. Eu acredito em céu e inferno sim. Tudo aí me parece inferno, com capetão ou capetinha, ou qualquer outra coisa.
    Tenho fé que não vou pra lá, não quero nem pensar na possibilidade de escolher. A minha escolha foi feita: CÉU. Mas enquanto isso eu tô de boa na Terra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maiany. Obrigado pelo comentário. Como lhe conheço sei que certamente você já está no céu,merecidamente. Mas a crônica tem a atenção de divertir e de trazer reflexão para todos, independente de crença ou filosofia seguida. BJ

      Excluir
  2. as imagens dos infernos(como conseguiu encontrar tantos?) são terrificantes para se fazer uma escolha. prefiro pensar em desencarnar de vez, sem escalas. muito inteligente sua crônica, imagens muito bem construídas, amadurecida.parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, bom dia. Obrigado pelo seu comentário. Você achou muitos infernos? Pois ainda precisei deixar de fora vários rsrsrs Temos muitos infernos, fora os do dia a dia. Abraço.

      Excluir
  3. Olá tudo bem?

    Achei fascinante esse tema e tão pouco explorado. Claro, existem várias indagações sobre para onde vamos quando falecemos, mas dificilmente alguém chega a conclusão de que irá para o inferno. Também gostei de como você conseguiu "pintar" cada inferno de modo que era até mesmo possível se imaginar ali. Enfim, adorei sua crônica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila. Obrigado pelo seu comentário. Pois é, como a única certeza é que vou para o inferno (meus amigos estarão lá rsrs) fiquei curioso para conhecer um pouco o destino da minh'alma. Como o Google Street não chegou lá ainda precisei pesquisar mais e imaginar como seria. Abraço.

      Excluir
  4. Olá, tudo bem? Que bacana esse texto, bem divertido e além disso nos faz refletir. Não conhecia o autor, mas já fiquei curiosa para ler mais coisas dele.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Larissa. Obrigado por tirar um tempo para me ler e comentar. Nem sempre sou divertido assim, embora as pessoas achem que sim rsrs. Se você quiser pode ler outros dois textos meus com links logo acima dos comentários, e tem mais na coluna Sociedade e Literatura. Já meus livros são encontrados na Amazon ou em Fortaleza- Ce, infelizmente só aqui enquanto não sou famoso rsrss (Livros: Outros Tempos e o Crimes do Tarô.Abraços.

      Excluir
  5. Olá, tudo bem?

    lendo a crônica acabei fazendo algumas reflexões. Antes eu tinha muito medo de pensar entre o céu e inferno. Com a maturidade ajudou lidar muito com isso e foi uma leitura interessante e divertida. Espero conhecer mais textos sobre o autor. Parabéns pelo post.

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Olá, Kênia. Obrigado pelo comentário. É verdade, a gente vai ficando mais maduro e menos preocupado, aceitando o que não está nas nossas mãos como algo com que não devemos nos preocupar, não vai mudar em nada mesmo rsrs. Abraços. P.S.: Na coluna Sociedade e Literatura você encontra todos os meus textos, na página inicial do blog tem outro (Só se vive uma vez! Será?) Este é menos divertido.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, que crônica interessante! Achei ao mesmo tempo divertida e meio triste também, mas confesso que em algumas partes eu meio que me identifiquei.
    Não sei pra onde eu iria, se eu acreditasse nessas coisas, cada um fala uma coisa kkkkk Mas seria interessante refletir sobre e ver se minhas atitudes me levariam ao céu ou ao inferno. Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  8. Um tema bem polêmico, gostei bastante da crônica e reflexiva. Parabéns por explorar esse tema que é tão pouco falado.

    ResponderExcluir
  9. Bianca, obrigado pelo comentário. Não acredito nessa de inferno, mas é bom termos opções rsrsrs. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Oie!
    MEU DEUS QUE TEXTO PERFEITO! Aff eu nunca me senti mais representado num texto falando sobre "religião" como esse texto ai, eu sou gay, então, eu basicamente estou fadado ao inferno, mas sinceramente não faço parte e nem acredito em nenhuma religião, ainda que acredite que exista sim um "algo" que nos rege, então porque eu deveria aceitar que eu irei pro inferno por ser gay? E se eu for será que eu também poderei escolher? kkkkkk nossa amei mesmo essa crônica <3

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  11. Olá, Alisson. Obrigado pelo seu comentário, foi muito gentil. Acho que ninguém está predestinado a ir para qualquer inferno que seja (se é que existe isso rsrs), até porque os Deuses não vão querer perder para a concorrência e a maioria será perdoada, inclusive os Gays e os gordos rsrsrs. Abraços.

    ResponderExcluir
  12. HAHAHAHA eu adorei o texto e olhando por esse lado, acredito que já estamos no bad place.
    Brincadeiras à parte, não acredito que alguém esteja predestinado a ir para algum lugar.. enfim, só vou descobrir quando chegar minha hora rs

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Clayci. Obrigado pelo comentário. Eu não sei se vamos pra algum lugar, mas bem que escolher seria interessante, vai que queimar no mármore do inferno é melhor do que no fogo e enxofre. Não que eu queira brincar com tais coisas. Abraço.

      Excluir
  13. ja me vi pensando nisso, seria o inferno uma especie de mil universos pra cada religião? ou seria o inferno o local que ja vivemos? inferno é tão relativo e tão punitivo que me questiono se realmente iremos a ele ou criamos ele onde ja estamos ja que no fim iremos chegar lá. adorei sua crônica, fazia tempo que não tinha esses insights sobre existência e pós morte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Barda. Meu pai dizia que não existia inferno pós morte pq seria covardia passar por dois, já que aqui já é o inferno rsrsrs. Obrigado pelas palavras gentis e pelo comentário. Abraço.

      Excluir
  14. Que texto forte gente! Confesso que nunca parei para pensar em céu e inferno nessa profundidade toda.
    Bjks!
    Hanna Carolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hanna, grato pelo comentário. Eu pensei a partir da piada que vou para o inferno porque meus amigos estão lá rsrs Mas, qual inferno, são muitos. Aí fui pesquisar. Abraço.

      Excluir
  15. Eita, reflexões profundas... ter medo do inferno - seja qual for, parece ser o que move cristãos para se manter do lado da luz... Minha filha ontem mesmo veio com a reflexão de que, se nos movemos pelo medo, não somos bons de fato. Filhos, como não amá-los? Agora apresentarei mais alguns infernos para ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maisa. Obrigado pelo comentário. Sua filha é bem perceptiva, acho isso também, lembrei de uma passagem do filme Indiana Jones onde um protetor do Grall diz que sua alma está pronta e pergunta se a dele também está. É isso quem tem medo não tem a alma pronta. Abraço.

      Excluir
  16. Ah, que texto fascinante. Confesso que nunca parei pra pensar nesse pós vida, e com essas consequências. Quanta criatividade em encontrar um inferno pessoal menos pior. Acabei me divertindo, e aprendendo. Pois alguns lugares eu sequer tinha ouvido falar! Arrasou!!!!

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, obrigado pelo Fascinante, muito gentil. Eu pensei que se é pra ir para o inferno que seja um onde possa pelo menos ser visitado rsrs. Abraço.

      Excluir
  17. Achei bem interessante a proposta dessa obra. E gostei também do trabalho do autor em fazer toda uma pesquisa do Inferno de algumas religiões. Parece ser um trabalho mega completo. Ótimo ter a oportunidade de conhecer aqui.

    ResponderExcluir
  18. Como ateia que ouviu por muitos anos que era satanista, acabei procurando saber mais sobre o satanismo de fato. E, por incrível que pareça, é uma das "religiões" mais sensatas! Hahaha Mas é sempre curioso pensar sobre o pós-vida e, como você mesmo fez aqui, poder escolher a versão que melhor nos parece!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Victoria. também sou ateu, graças a deus (frase da Raquel de Queiroz) rsrs Nunca vi ninguém encarar o satanismo como religião, fiquei curioso, poderia resultar em uma crônica ou conto. Se puder me mande algumas dicas sobre o assunto (links, por exemplo) pelo e-mail nobregaescritor@gmail.com. Ou Face de Leonardo Nóbrega Romancista. Agradeço. Abraço.

      Excluir
  19. Acho interessante o assunto abordado nesse escrito do autor! Muito legal também que o autor teve todo o trabalho em pesquisar sobre o Inferno de algumas religiões. E muitas pessoas acreditando em certas coisas ou não, o bom mesmo é respeitar as crenças de todos os povos e culturas. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Debora, obrigado por comentar. É verdade, o respeito é o básico em qualquer situação e existem tantos infernos quantas crenças existem, eu escolhi alguns para usar no texto. Abraço.

      Excluir
  20. Hahahah Leonardo sempre incrível em seus escritos. Eu penso que o meu inferno já e aqui, tendo que aguentar os gritos da vizinha aos fins de semana e encarando pessoas falando 'bolsomito bolsomito'. Não tem inferno mitológico certo que seja pior do que viver num Brasil desgovernando por esse bando de acéfalos kkkkkkk


    Parabéns pela crônica maravilhosa. 🤗

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Val. Obrigado pelas palavras gentis. Concordo com você, se o Brasil de hoje não for o inferno é um estágio para o principal rsrs Abraços

      Excluir
  21. Gente, não conhecia esses infernos e achei bem interessante. Adorei a forma como você escreveu, dando uma leveza a um tema que é tão temido por alguns (por mim ao menos). Parabéns 👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Elisa. Acho que falei com leveza sobre o inferno porque sou esCrizofrênico, acho que todos os escritores são, mas cuidado, se você tem tanto medo do inferno tenho que perguntar: o que vc tá fazendo de "errado", menina? rsrs Abraço.

      Excluir
  22. Oie, tudo bem? Não conhecia o autor mas achei o texto bem interessante. Além de trazer diversos questionamentos e discussões. Desde os primórdios as pessoas discutem sobre existir ou não céu, inferno, ou castigo para as pessoas que se comportaram mal. Como diz minha mãe, enquanto ninguém voltar do além contando como é do outro lado seguimos imaginando. Não é mesmo? Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Erika. Se existe ou não céu e inferno eu acho que é da crença de cada pessoa (ou cada cultura, como coloquei) , porém, independente disso, como diria Gandalf no livro O Senhor dos Anéis, o que nos cabe é decidir o que fazer com o tempo que nos é dado. Agora quanto a confirmar com a volta de alguém, prefiro continuar sem ter certeza rsrs. Abraço

      Excluir
  23. Gostei de ler seu texto. Tocou em um ponto bem temido e que nao é muito comentado.
    Parabens pela ideia

    bjos
    Renata Avila
    www.entrandonumafria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata. pois é, e eu nem pensei nesse temor todo, só queria ter opções para não sofrer muito quando me for rsrs. Obrigado pelo comentário. Abraço.

      Excluir
  24. Adorei o texto, bem divertido. Muito interessante a ideia do autor de analisar os diferentes infernos nas diferentes religiões pra ver qual se "adapta" a ele.
    Eu, sinceramente nunca pensei em nada do tipo, mas espero que seja encaminhada para o oposto de qualquer um deles.
    Hahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Karina. Obrigado pelo comentário. Na verdade se você quer ir para o oposto deles então seria o paraíso? Lembrei do título de um livro: Meninas boazinhas vão pro céu, as más vão à luta (Algo assim). Abraço.

      Excluir
  25. Adoreii o texto, realmente existente tantas ideologias de inferno, uma fez li em algum lugar que inferno e Paraíso são estados da mente, achei bem interessante essa ideologia. Parabéns pelo seu trabalho gostei bastante!

    Bjs Aruom Fênix

    Blog Leituras de Aruom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Aruom (seria Moura?). Obrigado pelo comentário. Essa abordagem da mente é bem real, como psicanalista acho que somos o inferno de nós mesmos e que precisamos aprender a viver com isso da melhor forma possível, esse seria o paraíso. Abraços.

      Excluir
  26. Adorei seu texto, achei bem diferente do qual estou acostumada a ler :D Eu acredito bastante no céu e no inferno e que nossas atitudes na Terra influenciam bastante nisso. Muitas pessoas deveriam ler seu texto, sério rs.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Amo Leitura (eu tb). Obrigado pelo comentário. Acreditar no Céu e Inferno é válido, não digo que eu não acredito, apenas pensei em menos sofrimento em um inferno não-cristão, mas, como vou para o céu, sou um menino bonzinho, não preciso me preocupar rsrsrs É não, se o julgamento for meu, como me conheço estou do inferno pruma banda, coo dizemos aqui no Ceará. Abraços.

      Excluir
  27. Texto bem diferente, forte até e deveras aterrorizante. Acredito em céu e inferno, reencarnação, etc. Mas cada um com sua crença e direito de escolha e temos que respeitar.

    ResponderExcluir
  28. Oi, Simeia. É verdade, crença é individual e vários indivíduos com a mesma crença formam uma religião. Você captou perfeitamente a ideia, são tantos infernos e paraísos quantas crenças existem (ou até nenhum deles).Obrigado pelo seu comentário. Abraço.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma