Header Ads

Resenha – O Ano da Graça de Kim Liggett

Colagem por Deni Maliska



O Ano da Graça, de Kim Liggett, é mais um livro selecionado para o Projeto Leitura Feminista, com o blog Barda Literária e em parceria com a Globo Livros, selo Alt. Voltado para o público jovem, o livro faz críticas à alienação promovida pelo sistema Patriarcal e como as mulheres tentam sobreviver em uma sociedade em que sua existência é uma ameaça constante ao poder dos homens.

Nos dizem que temos o poder de fazer homens adultos saírem de suas camas, deixar garotos alucinados e enlouquecer as esposas de tanto ciúme. Acreditam que nossa pela emana afrodisíaco poderoso, a essência potente da juventude, de uma menina à beira de se tornar mulher. É por isso que somos banidas aos dezesseis anos, para liberarmos nossa magia na natureza antes de voltarmos à civilização

Ninguém no Condado de Garner pode falar do Ano da Graça, o que cria uma atmosfera de medo, melhor forma de controlar a massa. Tierney, personagem central dessa história, já tem a idade suficiente para se submeter ao Ano da Graça, momento em que adolescentes são isoladas numa ilha para se purificarem de sua magia. Ou seja, todas as mulheres desse Condado são consideradas Bruxas e perigosas (Não pensem que isso está longe de nossa realidade, na África do Sul, homens queimaram mulheres idosas vivas, acusando-as de transformar morros em zumbis. Canada registra aumento casos de mortes de mulheres indígenas, há também casos de mulheres queimadas vivas nos últimos anos em vários países – Fonte: Mulheres e caça às bruxas).



O Condado de Garner vive um regime religioso e capitalista de terror contra as mulheres, impondo dessa forma um modelo de feminilidade em que a mulher precisa ser socialmente aceita, estandardizada institucionalmente e submissa ao patriarcado. A construção da mulher obediente em que sua única função é procriar e ficar em silêncio.

Somos proibidas de cortar nosso próprio cabelo, mas, e o marido achar apropriado, pode punir a esposa assim, cortando sua trança.

Tierney não consegue se encaixar em padrões, na maioria do tempo em que estava no Condado, se isolava, não tinha amigas e aprendeu sobre pesca, medicina, acampamento com o pai. Seu único amigo, Miachael, demonstra preocupação sobre o futuro de Tierney caso sobreviva ao ano da graça. As jovens, antes de partirem para purificação, são expostas em praça pública, como um objeto a venda numa vitrine, a espera de um pedido de casamento, Tierney não quer casar e já planejou seu futuro, mas ela vai descobrir que nem assim seu corpo ou sua vontade lhe pertencem. Nem mesmo sonhar era permitido, quem dirá planejar uma vida tranquila.

Somos proibidas de sonhar. Os homens acreditam que os sonhos são uma forma de escondermos nossa magia. Sonhar por si só já bastaria para que eu fosse punida, mas, se descobrirem com o que eu sonho, eu iria para a forca.

O medo é a principal ferramenta de controle social, os homens temem as mulheres e a mulheres temem a si mesmas e quando isso não é suficiente, castigos públicos são aplicados as mulheres ou até mesmo são queimadas vivas. A insanidade coletiva é alimentada e gera lucro na cidade e para os que vivem à margem. Entretanto, os marginalizados estão apenas tentando sobreviver.

O período do Ano da Graça dura um ano e nesse tempo entre o transe e a barbárie absoluta, Tierney tenta se manter a mais serena possível. Tudo é pensado para que o Ano da Graça seja um massacre total, e como se não bastasse, as jovens ainda precisam lidar com os Predadores, homens mascarados que se escondem na floresta para capturar as jovens e vender os pedaços de seus corpos cheios de magia no mercado, como uma orelha, por exemplo. Mas preciso parar por aqui para não entrar em spoiler... 

O livro não é restrito a uma visão do feminismo, mas traz uma abordagem necessária e ainda comum no mundo, com críticas à religião, para mim, sendo mais específica, a seita religiosa ligada ao cristianismo, e sendo um pouco mais específica, hoje, aos pentecostais e sionistas. O Ano da Graça, como dito antes, é um livro para o público jovem, bem escrito e estruturado e muito próximo da realidade em que vivemos de caça às bruxas com apoio da religião e do capitalismo.

Este é o segundo livro do Projeto Leitura Feminista criado por mim e a Paac, do blog Barda Literária, e que busca trazer conteúdos sobre feminismo de uma forma mais acessível e diversificada com debates e leituras para todos os gostos. Se tiver em interesse em conhecer mais clique na imagem abaixo e visite também nossos posts nas redes sociais. O próximo livro que vamos apresentar é da autora Silvia Frederici, Mulheres e caça às bruxas, editora Boitempo. 


20 comentários:

  1. Esse é um livro que eu quero ler desde que ele foi anunciado pela editora!
    Eu vi algumas pessoas comparando ele com O Conto da Aia e como eu gostei absurdamente desse livro, eu fiquei muito curiosa pra ler esse também.
    Ainda não tive oportunidade de pegar ele pra ler, mas seus comentários me deixaram com ainda mais vontade, principalmente depois de ver os temas que o livro aborda. Adorei! E também amei o projeto de vocês, que perfeição!

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Eu estou louca por esse livro, ele está na minha lista desde o lançamento e sinto que é uma obra que eu irei gostar muito já que li outras histórias com esse pano de funco e amei!

    ResponderExcluir
  3. Olá! Eu nunca ouvi falar desse livro mas li toda a tua resenha com o coração na mal. Parece ser um livro bastante pesado mas não menos necessário. Adicionei-o na minha lista, porque adorei a premissa. Adorei, também, o projeto literário, parabéns meninas <3

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Na sociedade em que vivemos atualmente onde o machismo esta cada vez mais disfarçado no meio da sociedade, é preciso que nos mulheres estejamos cada vez mais alerta sobre o como enxergam as mulheres no mundo, temos que ter cada vez mais conhecimento sobre o assunto, igual o livro aborda em parte, que as mulheres são simplesmente queimadas como se nos fosse um simples lixo descartável. Esses tipos de livros que temos que adquirir para ter uma forma ampla de pensamento sobre o que realmente é o feminismo. Adorei sua resenha!

    ResponderExcluir
  5. Eu realmente nao conhecia, mais fiquei muito intrigada.Acredito que esse seja um daqueles livros que vou detonar em um piscar de olhos. Nossa que condado terrível! Imagino a dor daquelas mulheres, e saber que ainda existe isso em muitos países na africa e tal. terrível é pouco.

    ResponderExcluir
  6. Olá Lilian.

    Estou lendo algumas opiniões sobre este livro que está despertando meu interesse. Eu já estou adicionando na lista de desejados, pois achei sua opinião bem convincente para uma leitura marcante. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Esse livro parece incrível! Acho que é a primeira opinião que leio sobre ele e fiquei realmente interessada. Gostei de saber que ele não é restrito a uma opinião sobre feminismo, mas que aborda assuntos tão importantes quanto. Já vou adiciona-lo a minha lista.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Sempre gosto de descobrir livros que falem do feminismo para jovens, gosto do assunto e acho que precisa ter muito mais para uma faixa etária mais jovem. Gostei do tema desse e todo o paralelo com o mundo real é algo para se refletir.

    ResponderExcluir
  9. Ouvir falar do livro pela Tamirez do Resenhando sonhos e fiquei curiosa pra ler, depois da sua resenha com certeza ele vai entrar pra lista.

    ResponderExcluir
  10. Lembro de já ter lido algo sobre o enredo do livro em algum blog parceiro e a respeito desse Projeto de Leitura Feminista também. Achei muito interessante e uma leitura necessária. Eu curto bastante ler livros que mostram outra visão crítica sobre diversos assuntos na sociedade como crítica à religião, machismo, sexismo e outros que são de extrema importância serem expostos. Já tenho interesse pela leitura desse livro.

    ResponderExcluir
  11. Caramba! Juro que se você não falasse que o livro foi feito para o público jovem eu poderia jurar que era para o publicar adulto. Não conhecia essa obra e já estou aqui louco de vontade para começar a ler. Amo livros com essa temática de mulheres serem submissas pois ela me causa raiva, e ao mesmo tempo mostra que a ficção não é tão diferente assim da realidade.

    ResponderExcluir
  12. Gente, parabéns pelo projeto! Fico imaginando os titulos que virão! Essa distopia não tão distópica se relacionada com nossos tempos continua soando incrivelmente como alerta. Também poderia ser uma ótima adaptação para o cinema!

    ResponderExcluir
  13. Estou tão curiosa para ler esse livro... perceber esses temas tão próximos da nossa realidade faz a gente parar e avaliar tudo que nos rodeia. É uma pena que seja uma situação que pareça tão próxima de existir!

    ResponderExcluir
  14. Estou tão curiosa para ler esse livro... perceber esses temas tão próximos da nossa realidade faz a gente parar e avaliar tudo que nos rodeia. É uma pena que seja uma situação que pareça tão próxima de existir!

    ResponderExcluir
  15. Essa é a segunda resenha que eu leio desse livro e me faz refletir sobre o quanto esse evento, do Ano da Graça, me lembra alguns ritos de passagem da infância para idade adulta, sobre os quais já li.
    Pode ter ctz que sua escrita me deixo mais curiosa para ler a obra e refletir sobre as demais semelhanças do livro com bossa realidade.

    Abreijos.

    ResponderExcluir
  16. Gostei da resenha, me lembrou bastante O Conto da Aia, mas com mais fantasia. Acho que livros assim são mto interessantes para discutirmos a nossa própria realidade e natureza quanto mulheres, pois temos poder e não percebemos!
    Abraços,
    Liv

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem? Achei bem interessante o projeto de leitura. Ainda mais por trazer livros com temas tão atuais e que permitam discussões. Quando li a sinopse pela primeira vez lembrei de O conto da Aia. Gosto muito de distopia e imaginar outras realidades é um exercício incrível. Acredito que situações extremas testam os seres humanos e percebemos do que somos capazes. Como agiríamos se acontecesse conosco. Nunca li nenhum livro da editora mas já anotei essa indicação. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  18. Nossa, Lili. Deve ser uma puta leitura. Com certo vou querer fazer. Tinha visto a capa num café enquanto uma pessoa lia e fiquei na vontade de perguntar do que se tratava kkkkkk mas fiquei na minha. Não tinha nem visto o título direito.

    Adoro tuas indicações, sempre maravilhosas e necessárias.

    Küss meine Schatz 💜🌻

    ResponderExcluir
  19. Oiiii
    Não conhecia esse livro, mas fiquei bem curiosa com o texto. vou procurar mais sobre ele para ver se encaixa bem no meu gosto de leitura e te conto

    ResponderExcluir
  20. Adorei sua resenha. Muito! Esse será um dos meus próximos livros, inclusive estou incomodada de ainda nao ter conseguido adiantar ele na lista. É muito real o q vc falou. O medo ser usado como forma de controle, principalmente o medo do desconhecido. E como não está distante do que vivemos hj. Esses temas estarem sendo mais abordados agora me dá esperança de um reconhecimento e levante de voz feminina.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma