Header Ads

O governo decide que a realidade não existe / Eduardo Galeano



1902

Quezaltenango

 

O GOVERNO DECIDE QUE A REALIDADE NÃO EXISTE

 

Tambores e clarins clamam a todo vapor, na praça principal de Quazaltenango, convocando os cidadãos; mas ninguém pode escutar nada além do pavoroso estrondo do vulcão Santa Maria em plena erupção.

 

O pregoeiro lê aos gritos o decreto do governo superior. Mais de cem povoados desta comarca da Guatemala estão sendo arrasados pelo alude de lava e lobo e pela incessante chuva de cinzas, enquanto o pregoeiro, cobrindo-se do jeito que pode, cumpre seu dever. O vulcão Santa Maria faz tremer a terra debaixo de seus pés e o bombardeia com pedradas na cabeça. Em pleno meio-dia é noite total, e na cerração nada mais se vê que o vômito de fogo do vulcão. O pregoeiro grita desesperadamente, lendo o decreto a duras penas, entre as sacudidelas da luz da lanterna.

 

O decreto, assinado pelo presidente Manuel Estrada Cabrera, informa à população que o vulcão Santa Maria está em calma, e que em calma permanecem todos os demais vulcões da Guatemala, que o cataclismo ocorre longe daqui, em alguma parte do México, e que, sendo normal a situação, nada impede que hoje se celebre a festa da deusa Minerva, que acontecerá na capital, apesar dos maléficos rumores dos inimigos da ordem.

 

(Eduardo Galeano, in Memória do Fogo vol. 3, O Século do Vento. As dimensões e os segredos da América Latina num Mosaico de Histórias, Fatos, Mitos e Homens. Tradução Eric Nepomuceno. L&PM Editora. 1998)

12 comentários:

  1. E num é? Esses inimigos da ordem devem ser esquerdopatas, isso é só um vulcãozinho...não, pera..

    Mais atual,impossível. Por isso amo Galeano. E ainda tem gente tapada que acha que literatura e artes em geral não são políticas... Se prendem tão unicamente a dualismos, quando a coisa toda é plural...

    Perfeito o post. 🖤

    ResponderExcluir
  2. Que história mais atual, fico admirada que tenha sido escrita em 1998 porque, parece algo que está acontecendo nesse ano! Enquanto muitas pessoas morrem de fome ou doença, os ricos ficam cada vez mais ricos, ganhando dinheiro que poderia salvar muitas vidas inocentes.
    Gostaria que mais pessoas percebessem o que está acontecendo!
    Ótima matéria!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu tô apaixonada por esse paralelo! Como que pode ter sido escrito em 98, parece algum desses textos publicados em jornal!!
    Acho que minha esperança na humanidade tem diminuido sabe, quanto mais nós lutamos, mais eles engrandecem e mais a gente morre sabe. Dificil isso de sentir que a gente ta falando com as paredes ou se matando entre a gente mesmo.
    Adorei esse texto!!

    ResponderExcluir
  4. Que texto impactante! Dói perceber o quanto ainda é real, mesmo sendo escrito há décadas. Infelizmente ainda vivemos em um governo que decide ignorar a realidade, ignorar as milhares de mortes e as pessoas que clamam por ajuda. É desesperador presenciar tudo isso e assustador ver que, infelizmente, não ficou apenas na ficção.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir
  5. OIeee

    Imagina se não achei o texto extremamente atual, realista e próximo da nossa realidade no Brasil né? O texto vem em hora boa e serve para a gente refletir em como tudo pode se tornar absurdo e as pessoas facilmente acatam em fazer vista grossa ainda que a tragédia esteja li, ao nosso lado e diante dos olhos.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  6. Nunca imaginei encontrar um texto que representasse nossa realidade tão bem. Quem dera as pessoas fossem mais conscientes da verdade que está bem no nariz delas, em vez de dar ouvidos a quem ignora o sofrimento alheio e não está nem um pouco preocupado em ir em socorro do povo, apenas do próprio bolso.
    bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma