Header Ads

Resenha – Ciranda de Pedra


Lygia Fagundes Telles foi uma autora que marcou o início de minha adolescência com o livro Ciranda de Pedra, uma história que se passa na metade do século XX, narrada pelos olhos da personagem Virgínia de criança até a vida adulta. Diferente das irmãs, Bruna e Otávia, que vivem em uma casa luxuosa com pai, Virgínia acompanha dia após dia a mãe definhando em uma cama sem compreender ao certo o que está acontecendo.

 

“Bruna disse que se minha mãe não tivesse se separado do meu pai não estava agora assim doente. Ela acha que é castigo de Deus” (pág. 17)

 

Em meio de uma família apática, levada pelas aparências, uma mãe doente, cuidada pelo amante e marginalizada socialmente e muitos segredos, as dores de Virgínia vão ganhando força. Entre triste, melancólica e cruel, a menina começa a se despedir da mãe, vai para casa luxuosa do pai e em nada sua vida melhora.

 


Pouco depois de se mudar, sua mãe morre e Virgínia descobre da pior forma que Daniel, médico e amante da mãe, era seu pai biológico e acabara de tirar a própria vida. Sozinha e desamparada de afeto, decide que prefere viver em um internato, apesar disso, seus monstros a persegue.

“Queria morar no colégio mesmo. Posso?” 

Após terminar os estudos, Virgínia retorna e todas as suas dores e ilusões da infância se fazem mais presentes que nunca, a menina solitária, triste, ingênua e carente ainda está latente, bem como o desprezo que recebe das irmãs, dos amigos de infância e do ‘pai’ que a registrou.

“- Bonita, mas infeliz.”

Virginia é a representação do patinho feio e da bastarda, um retrato do ‘erro’ da mãe que desonrou a família e precisava ser banida, marginalizada e pagar por seu pecado. Ela cresce com o ônus de carregar uma culpa imposta pela sociedade e isso afeta diretamente sua autoestima, o modelo de família de bem determina do pelo ideal cristão fora rompido por sua mãe, uma errante e cabia a Virgínia carregar a cruz da falta de afeto.


8 comentários:

  1. Oi Lilian, sua linda, tudo bem?
    Faz tempo que não visitava seu blog. Espero que esteja bem. Essa autora está na minha lista desde que fiz um trabalho, agora nem lembro mais qual era o assunto. Mas ainda não conseguir adquirir seus livros. Esse parece que foi bem triste. A vida da personagem não foi fácil. Espero que ela tenha tido um final feliz, pelo menos. Uma grande autora que merece estar na nossa estante. Sua resenha ficou ótima.
    bjs.
    cila.

    ResponderExcluir
  2. Oi Lilian.

    Eu tenho muita vontade de ler Ciranda de pedra, pois até o momento eu li o livro de contos Vem ver o por do sol da Lygia e até vou relê-lo porque quando adquiri eu ainda não tinha o blog. Gostei de saber que a escritora marcou sua adolescência, espero ter oportunidade de lê-lo em breve, pois vou tentar adquiri-lo rápido para saciar minha curiosidade e ter a experiência com a escrita da Lygia nessa história.

    Bjos
    https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?

    Nossa, eu tenho muita vontade de ler as obras da Lygia mas ainda não tive oportunidade, eu vejo muita gente falando desse livro também e ele parece mesmo ser uma leitura extremamente marcante, acompanhar a vida da Virginia deve ser muito peculiar, fiquei curiosa com essa história, já quero ler!

    ResponderExcluir
  4. Olá! A8nda não consegui ler esta obra, mas quero fazer um intensivão com estas obras mais antifas, que se fqzem atuais, e que têm muito a nos ensinar. Ligia fagundes já está na minha listinha há algum tempo. rsrs Adorei a história quero ver como a Virgínia vai se sair dessa loucura de vida.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oii!

    Eu adoro a escrita da Lygia, mas não consegui ler esse livro ainda. Nossa, que enredo denso e triste para a protagonista. Fiquei curiosa para ler a obra. Obrigada pela dica!

    Beijinhos,
    Ani
    www.entrechocolatesemusicas.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Acredita que nunca li nada da autora, mesmo sempre tendo vontade? Depois do que disse sobre a obra, fique mega curiosa e parece super interessante. Aliás sua edição é bem antiga né? Amei! Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Lilian, tudo bem?
    Confesso que da Lygia Fagundes Telles eu só li um conto chamado "Venha ver o pôr do sol", que é bem incômodo. Eu só soube desse livro pela novela com a Ana Paula Arósio que passou no horário das seis da Globo e pelo jeito tinha umas diferenças bem sérias com relação à publicação, dado o que tu menciona na resenha.
    Excelente postagem, ^^.
    Um beijo de fogo e gelo da Lady Trotsky...
    http://wwww.osvampirosportenhos.com.br

    ResponderExcluir
  8. foi a minha estreia com Lygia... preciso reler em dado momento... <3

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma