Header Ads

O amor eterno dos tempos modernos

 


O perigo das comédias românticas

 

Ouvi no rádio: uma pesquisa acaba de revelar que os filmes românticos americanos prestam um desserviço, alimentando e agigantando no público – sobretudo feminino- a expectativa do amor eterno. O risco é grande, devemos deixar de ver comédias românticas?

 

Hollywood desenforna comédias românticas porque sabe que as pessoas gostam delas, e porque gostam vão vê-las nos cinemas, e indo vê-las nos cinemas alimentam suas fantasias de amor eterno, e suas fantasias agigantadas as levam a querer ver a representação do amor tão suspirado, representação que encontram nas comédias românticas que Hollywood desenforna. A questão parece circular.

 

Mas as pessoas corriam atrás do amor eterno bem antes das comédias românticas. Deixemos de lado o mito do Andrógino, criatura una dividida em duas por exigência do deus, que para sempre procura sua outra metade. Esqueçamos Freud, as teorias da ausência, a incompletude que atormenta os seres humanos. Nem uma palavra sobre os contos de fadas. Criticado, quase banido pela modernidade, o sonho do amor eterno continua firme simplesmente porque o amor de longo prazo pode acontecer, e os que o conseguiram garantem que é bom.

 

Dizem que é bom, mesmo sem cavalo branco. Que não tem essa de felizes para sempre. O que está valendo é felizes hoje, amanhã veremos. Mas hoje se capricha no sexo, na cumplicidade, no apoio recíproco. E amanhã, se der, se capricha de novo.

 

Bem mais modesto que o mito. O amor eterno dos tempos modernos não é destino, bilhete premiado mandado pela sorte, é resultado. Resultado de que? Todos perguntam.

 

Receitas não faltam, e são sempre semelhantes. Nos saltam em cima das capas das revistas, nos recebem nas livrarias, é impossível ignorá-las. Deveria ser fácil. Mas mesmo com o receituário em punho, o bolo costuma solar. Então agora, para ajudar os cozinheiros, surgiu o “love coaching”, a preparação amorosa através da internet ou presencial. “Minha meta é avançar rapidamente”, diz a francesa Benedict Ann, personal do amor, “recebo pessoas que passaram anos em terapia, e que me afirmam : você me disse mais em duas horas que meu psi em anos.” Por 120 euros, Benedict faz o diagnóstico amoroso do cliente, e o orienta nos sucessivos estágios que o levarão ao sucesso. Sua sistemática, diz ela, é “concreta”e pragmática”.

 

Com personal do lado, o amor deixa de ser coisa de amador. A ciência também há muito se esforça para demonstrar que o que comanda a escolha amorosa não é o amor. Já se tentou atribuí-la aos feromonios, substâncias que ligadas ao olfato, desencadeiam respostas fisiológicas e de comportamento. Foi bom para vender perfumes. Depois se pensou em transferi-la para a área genética, a escolha ditada pela busca de um parceiro com genes de imunidade diferentes, aumentando a possibilidade de sobrevivência dos descendentes. Foi bom para vender testes de DNA, que comprovariam compatibilidades.

 

No final das contas, sem saber realmente o que leva duas pessoas a se escolherem, continuamos dizendo que é o amor. E se duas pessoas se escolhem porque se amam, sentem que o melhor seria ficarem juntas, para sempre. É um desejo que vem incluído no pacote amoroso. Para vê-lo acontecer, já que na vida real é tão improvável, vamos ver comédias amorosas.

 

(Marina Colasanti.  2012. Minas Gerais. Fonte: Marina Colasanti)


5 comentários:

  1. Oi Lilian

    Essa crônica (?) foi tudo para mim, ela retrata muito do que eu penso kkkkkkk o sofrimento que vem de busca infinitamente por esse amor avassalador e romântico presente nos filmes, nossa tem filme que termino de ver e me acho um completo lixo por não ter encontrado o tão sonhado par perfeito.

    Mas o resto do texto vem com uma acalanto, ninguém realmente sabe o que é o amor, ninguém sabe o que leva duas pessoas a se juntar não é mesmo? Mas também acredito que é importante fazer valer a pena o aqui e o agora e não ficar pensando no amanhã, o que espero é que seja eterno enquanto dure.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  2. como sempre textos incríveis, nem sei porque ainda me surpreendo com o conteúdo que você traz pro blog. esse me deixou reflexiva, porquê como boa jovem eu amo essas comedias românticas, amo esses romances de filme que sempre dão certo ''no final'', e esse texto tocou justamente nesse meu ponto.

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Ah eu amei o texto.
    Confesso que gosto de assistir comédias românticas justamente por ser ficção, porque na vida real nada é tão divertido (e nem duradouro) quanto na ficção. Até acredito que algumas pessoas fiquem com outras pra sempre, mas não acho que seja um privilégio de todos. Enfim gostei muito!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma