Header Ads

O peso quente do escuro / Laís Corrêa de Araújo

 


CINEMA

 

O peso quente do escuro,

a certeza de um braço amaciando

o encosto desconfortável,

a sensação de estar viva,

nos olhos, nos suspiros, nas mãos furiosas,

um gemido dilacerando

o seio imaculado do silêncio.

E o amor subiu escalando desejos,

exagerado como folhas de árvores,

e eu tive de despejá-lo em outra boca.

 

Depois uma bala de coco apagou

o gosto da violência na penumbra

e a luz me entregou a impressão

azul da derrota,

da pureza inútil das ruas desabitadas.

 

 

(ARAÚJO, Laís Corrêa de. Caderno de poesia. Sel. e org. Affonso Ávila e Wilson de Figueiredo. Il. Washington Junior. Belo Horizonte: Santelmo Poesia, 1951)


3 comentários:

  1. Ai que poesia linda, eu reli umas quatro vezes só pra absorver todo o impacto!
    Nuncaa deixou de me impressionar com o poder dos versos na minha mente, parece que tem alguém fazendo uum carinho na minha alma, louco demais!
    Adorei a escolha, já vou pesquisar mais sobre a autora!

    ResponderExcluir
  2. Descobri este site essa semana e já estou adorando os conteúdos, são ótimos!

    Parabéns! 👏

    Meu Blog: Sonhei Com

    ResponderExcluir
  3. Oi Lilian!

    Só você mesmo para fazer eu ler poesias. Adoro visitar seu blog porque sempre que venho descubro novidades, escritoras com escritas enriquecedora e especialmente em se tratando de poesias e poemas. Adorei essa poesia! Parabéns pelo post e depois quero pesquisar mais sobre Laís Correa.

    Bjos

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma