Header Ads

Desfecho / Derek Walcott #PoesiaRotaMundo

 



Vivo nas águas,

solitário. Sem mulher nem filhos.

Atravessei todas as possibilidades

para chegar até aqui:

 

pequena casa em água cinza,

janelas sempre abertas

para o velho mar.  Não escolhemos o destino,

 

mas somos o que fizemos.

Sofremos, os anos passam,

lançamos a carga fora, mas não a necessidade

 

de obstáculos. O amor é uma pedra

no leito do mar

debaixo da água cinza.  Agora, nada mais quero

 

da poesia senão o coração.

Não quero a piedade nem a fama nem a cura.  Silenciosa

esposa, contemplamos a água cinza,

 

e numa vida repleta

de mediocridade e lixo

vivemos como rocha.

 

Devo desaprender sentimentos,

esquecer meu dote.  Isto é maior

e mais difícil do que o que se entende por vida.

 

(Derek Walcott. Tradução de Alberto Pucheu. Fonte: Revista Escamandro)

 

Sobre o autor: Derek Walcott foi um escritor santa-lucense. Recebeu o Nobel de Literatura de 1992.

 

Poesia selecionada para o projeto RotaMundo em parceria com o blog Na Literatura Selvagem que neste mês terá poetas dos países: Santa Lúcia (Blog), Trinidad e Tobago (Youtube) e Uruguai (Instagram). Clique aqui e confira a poesia escolhida pelo blog Na literatura Selvagem e acompanhe nossas redes no Instagram e YouTube.


2 comentários:

  1. Quase que escolho esse poema dele, maravilhoso. Eu me apaixonei pelos versos dele e já quero alguma publicação dele aqui no brasil ^^

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma