Header Ads

Lírios que afloram/ Elvira Espejo Ayca #PoesiaRotaMundo

 



O senhor das boas flores

Aflora como lírio

O senhor das boas flores

Aflora como lírio

Na parte mais alta floresce como tani tani

Na parte média floresce como chana chana

Na parte mais baixa floresce como putu putu

O senhor das boas flores

Aflora como lírio

O senhor das boas flores

Aflora como lírio

 

*N.T.: tani tani, chana chana e putu putu são nomes de regiões e montanhas específicas da Cordilheira dos Andes. O Putu Putu – “lugar com muitas cavernas”, em aymara – é uma montanha de 4.112m de altura localizada na Bolívia. Já o Tani Tani é uma montanha de 4.806m de altura nos Andes peruanos. Nela, floresce uma espécie de genciana [Gentianella primuloides] que, por metonímia, é chamada pelos aymaras de tanitani).

 

******

 

Lirios que afloran

 

El señor de las buenas flores

Aflora como lirio

El señor de las buenas flores

Aflora como lirio

En la parte más alta florece como tani tani

En la parte media florece como chana chana

En la parte más baja florece como putu putu

El señor de las buenas flores

Aflora como lírio

El señor de las buenas flores

Aflora como lírio

 

******

 

Phanchay Liryusa

 

Phanchay liryusay

Tatitu sumay phaqalay

Phanchay liryusay

Tatitu sumay phaqalay

Paxaranay tani tani tatituy

Taypiranay chana chana tatituy

Manqaranay putu putu tatituy

Phanchay liryusay

Tatitu sumay phaqalay

Phanchay liryusay

Tatitu sumay phaqalay

 

(Elvira Espejo Ayca, Fonte Oficina Palimpsestus. Tradução de Jorge Miranda)

 

Sobre a autora:

Elvira Espejo Ayca é poeta, nascida no ano de 1981 em Oruro, Bolívia. Guardiã de narrativas orais, tecelã e artista plástica. Atualmente, também é diretora do Museu Nacional de Etnografía y Folklore em La Paz. Com obras teóricas e literárias escritas em aymara, quéchua e espanhol, Elvira Espejo Ayca apresenta uma poética que preserva as relações entre a poesia, a memória, a ancestralidade e o sagrado transfigurado na natureza, com poemas-cantos, poemas-preces e poemas-agradecimentos. (Fonte Oficina Palimpsestus)

 

***

 

Poesia selecionada para o projeto RotaMundo em parceria com o blog Na Literatura Selvagem que neste mês terá poetas dos países: Paraguai, Bolívia e Peru.


3 comentários:

  1. Oi!!

    Nossa, que bonito. O traduzido já é muito tocante mas ler os não traduzidos parece até uma musica, ma reza, de tão bonito que é o som das palavras. Não conhecia a autora e agora tô muito interessada em ler algo dela, adorei a dica e a escolha dos poemas foi certeira!

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Gostei. Achei legal o uso das flores com o ambiente das montanhas.

    ResponderExcluir
  3. Aah que lindo. Adoro ler poesias em espanol, tem uma sonoridade tão bonita. Bom que tu postou em 3 versoes

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma