Novidades da Companhia das Letras‏




25 outubro 2013

A filha das flores, de Vanessa da Mata
Giza cresceu à beira de uma estrada que liga o norte e o sul do país. Sua geografia familiar, no entanto, pouco ultrapassa os limites da casa de infância, onde foi criada em meio às plantações de flores, ao pé do jardim. Os buquês e arranjos que lá eram preparados abasteciam toda a região, aproximando Giza de um universo de gente que ama, é rejeitada e morre, cada circunstância pedindo a sua própria flor.  Assim, a menina, vivendo à sombra das tias, duas garotas que já encantavam os homens do vilarejo, encontrava seu jeito de vencer as cercas de casa. Mas, se das flores ela colecionava as histórias, das tias ela ganhava um vislumbre da vida adulta, que Margarida e Florinda, a despeito de serem pouco mais velhas, pareciam abraçar com naturalidade. Quase como uma estrangeira na casa, Giza passa a infância navegando pelos códigos e subentendidos da família, à beira de algo que ela parece prestes a compreender. Dona de uma imaginação prodigiosa, ela preenche esses espaços com doçura, humor e leveza, que a autora soube captar num estilo vivo e vibrante. Mas a menina cresce. E começa a saber de seu corpo, de suas vontades e de seus arredores. Viajando no carro que usa para entregar flores, ela ultrapassa os limites impostos pela família e chega a uma vila, lugar sobre o qual pairam histórias tenebrosas, e que ela passará a frequentar em busca de uma vida mais terrena.

Eles eram muitos cavalos, de Luiz Ruffato
O nove de maio de 2000 é um dia qualquer em São Paulo. Os habitantes seguem realizando pequenos e grandes feitos cotidianos, protagonistas de uma narrativa subterrânea, que representa, ao fim e ao cabo, o próprio tecido da cidade. Para captar essa polifonia urbana, Ruffato estruturou seu romance em 70 episódios, cada qual com registro e fôlego próprios, alternando entre poesia, discurso publicitário, música, teatro e prosa, instantâneos de uma cidade que só se move deixando para trás um rasto de esquecidos. Ao jogar luz sobre esses anônimos, o autor iluminou também as circunstâncias em que eles se confrontam, em atos que se alternam entre a solidariedade e a frieza. Mais de uma década depois de sua publicação, Eles eram muitos cavalos segue um retrato atual e doloroso da vida na grande cidade.

Noventa dias, de Bill Clegg (Tradução de Pedro Maia Soares)
Depois de narrar seu mergulho insano nas profundezas da droga, Bill Clegg descreve a batalha cotidiana para abandonar o vício do crack e do álcool. Ele está de volta a Nova York, após passar uma temporada numa clínica de desintoxicação, e tem um único objetivo na vida: completar noventa dias – apenas três meses – sem se drogar. Para o comum dos mortais, parece coisa simples. Para o viciado, é um trabalho de Sísifo, uma luta diária contra a fissura pela droga, contra a força magnética avassaladora que o leva a procurar traficantes e antros de junkies. O autor narra com absoluta honestidade o drama monstruoso de sua vida, que a qualquer momento pode se transformar em tragédia. São muitas as recaídas, é insaciável a vontade da droga, é forte a tentação de acabar de vez com a vida, é penoso o retorno à superfície. Para Clegg, ficar sóbrio não depende apenas da tão alardeada força de vontade: ele precisa do suporte e da convivência de seus colegas de recuperação. O árduo caminho de volta passa pelo apoio de um “padrinho” a quem possa recorrer a qualquer momento de fraqueza, e pelo comparecimento a reuniões de viciados – duas, três vezes por dia -, em que o relato de cada um reforça a disposição dos outros de permanecer limpo.  Neste diário de franqueza pungente, por vezes inacreditável, Bill Clegg expõe as idas e vindas de uma jornada que não tem fim, que recomeça todos os dias, de uma vida que avança sobre o fio da navalha.

Caras animalescas, de Ilan Brenman e Renato Moriconi
Nas fábulas e histórias que escutamos desde pequenos, os bichos muitas vezes se comportam como humanos. Eles andam, falam e se vestem como nós. Com os personagens deste livro acontece exatamente o contrário. O Abelardo se acha a estrela da pista e é cheio de sardas, parece mais um leopardo. E a dona Ninoca, sempre de bom humor, adora uma brincadeira e não sai da água. Pra completar, tem a maior cara de… adivinha!

O livro das lendas, de Shoham Smit (Ilustrações de Vali Mintzi; Tradução de Paulo Geiger)
O que os animais comiam na arca de Noé? Como Moisés ficou gago? Quais foram os enigmas que a rainha de Sabá apresentou ao rei Salomão? Neste livro vamos conhecer algumas das lendas mais importantes da cultura judaica e descobrir a resposta para essas e outras perguntas. Apresentando povos e costumes antigos para os leitores de hoje, as histórias protagonizadas por personagens do Velho Testamento, os contos sobre sábios e as fábulas diversas vêm acompanhados de explicações e reflexões sobre os aspectos mais significativos e curiosos de cada uma das narrativas, que relacionam esses tempos ao mundo atual. Repletos de figuras e lugares misteriosos, estes textos, escritos há centenas de anos, irão encantar adultos e crianças.

Pequena Grande Tina, de Patricia Auerbach (Ilustrações de Ronaldo Fraga)
Chega uma idade em que as crianças querem, mais que tudo, crescer logo para serem grandes, bem grandes. A Tina está nessa, não vê a hora de alcançar a torneira do banheiro e o botão mais alto do elevador. Este livro, que nasceu da cabeça da Patricia Auerbach e ganhou forma (e algumas roupas!) nas mãos do Ronaldo Fraga, fala sobre as angústias e alegrias do crescimento, a partir de páginas que se desdobram e, ao final da leitura, dão a noção exata do tamanho da menina.

4 comentários:

  1. Adorei as dicas para ler, livros infantis mas que agradarão à todas idades, tenho certeza :)

    ResponderExcluir
  2. Eu não fiquei muito interessada em ler esses livros... acho que porque estou numa onda de romances na minha leitura siauhsiua

    ResponderExcluir
  3. Dicas maravilhosas, gostei do post... vamos incentivar a leitura

    ResponderExcluir
  4. dicas de leitura muito boa, gostei bastante... parabéns

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma