Releituras – O Estudante




15 julho 2015

Eu mudei, e não havia me dando conta da profundidade disso até abrir aquela caixa. Em uma outra postagem, já havia dito a quantidade de livros habitavam minha casa, eram quase cinco mil, aos poucos, estou dando destino corretos eles, existem algumas caixas que há anos estão fechadas, e aos poucos, nos devaneios de minhas memórias, vou abrindo cada uma delas. Nela, estavam os livros do início da adolescência, e junto, uma fase adormecida... Mas, deixemos a memória afetiva para outro momento...


‘O Estudante é o grito desesperado de alerta para jovens, pais, professores, qualquer pessoa que pode, a qualquer momento, se tornar vítima das drogas. É o relato de um jovem que teve seu lar destruído pelo fantasma da droga, que não respeita idade, classe social, religião e raça. Muitos leitores poderão achar o conteúdo deste livro chocante e brutal, mas não devem se esquecer de que a realidade aqui escrita é muito mais. Um livro que não pode deixar de ser lido por todos que abominam o caminho da miséria e degradação para o qual os jovens são arrastados pelo vício das drogas.’

O Estudante, de Adelaide Carraro, 126 páginas, Global Editora, Edição de 1995, é narrada pelo ponto de vista de Roberto, menino de classe média alta, criado numa família cristã e ufanista. Ele narra como seu irmão, Renato, até então ‘perfeito’, entrou no mundo das drogas. Dividido em duas partes, onde na metade Renato é descrito tal como o ‘messias’ – cristão perfeito, filho perfeito, aluno perfeito; e a segunda metade do livro, exatamente na página 56, quando Renato torna-se o ‘anjo caído’.
Entre isso, uma família que o ama, mesmo que crie a expectativa que o menino ainda seja o ‘messias de antes’... (Lembrei quando deixei de criar expectativas). Roberto sofre e é tudo muito real e intenso, ele é inocente, proveniente da idade, então, pede ajuda àqueles que em sua visão têm a resposta, nesse caso: seu mestre da escola.
O professor, que também tem uma visão cristã, cartesiana e ufanista, é para Roberto quase o ‘segundo messias’. O professor também quer o bem de seus alunos e deseja pôr um fim no tráfico. Junto a Roberto se envolve numa investigação para descobrir quem e como fornece drogas nas escolas da cidade.
Eles descobrem, mas custa a vida do professor e quase a de Roberto. Enquanto isso, seu irmão cada vez mais se afunda nas drogas. Seus pais, movidos pelo desespero, tomam atitudes para alguns radicais, para outros, justas. O fato é que todos estão doentes e todos precisam de ajuda. Inclusive a escola...
No meio do enredo, me deparei com abordagens que não percebi há anos, o discurso elitista. Além de ser assistencialista, o que se refere a comunidade é colocado como: favelado; o preso que não tem nome. No entanto, quando se trata da camada elitizada, a qual Roberto habita, os termos são suaves, todos têm nomes e aí por diante...
Acho que a autora foi feliz na maneira como colocou tudo, apesar de ser muito superficial sobre o conceito de drogadição; ficou bastante evidente que os componentes da história renegam o arquétipo sombra, todos adoecem, mas a febre materializa em Renato. Fica tudo no ‘não dito’, mas todos os aspectos estão lá para gerar reflexão.
Hoje, diria que O Estudante pode ser uma arma ou ferramenta, depende do nível e informação e da intencionalidade de quem o utilize. O ‘Olho por olho e o mundo acaba cego’ também está no livro, um pai armado, movido pelo medo, insegurança, amor e ódio, mata o próprio filho... o fato, como disse, é que Renato era só a ponta de uma sociedade doente, infelizmente, não somos educados a pensar, mas a obedecer, e quando renegamos o arquétipo sombra, a maneira que nos ensinaram a reagir foi com violência e não com consciência... 
O livro é uma trilogia e a continuação é bastante válida. 

Se você quiser saber mais sobre o assunto, o sonho de Roberto ao procurar a autora Adelaide Carraro para contar sua história, pesquise aqui. Lembro-me que quando li, esse livro era uma imensidão, hoje, ele é só um grão de areia no meio de tanta coisa que já vi, vivi e li... 

23 comentários:

  1. Oi, Lilian!
    Me espantei com o livro. Não negativamente, claro, mas me senti um tanto quanto chocada, sabe? Gosto muito quando retratam a realidade da nossa sociedade nos livros e filmes, por isso achei incrível a premissa do livro. Mas sabe aquela coisa de ter medo de levar o tapa? Foi isso que me aconteceu. Mas às vezes o tapa é necessário, não é? Por isso estou disposta a me arriscar assim que der. Adorei sua resenha, meus parabéns!!

    Beijos!
    www.palavrasradioativas.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que história hein. Uma realidade hoje em dia, afinal. Bem interessante o tema abordado e pode-se dizer que bem atual, infelizmente, nunca sai de moda quando o assunto é drogas né...

    ResponderExcluir
  3. A melhor resenha sua que eu já li, Lilian. Direto ao ponto, e totalmente apropriada nesta coluna de releituras. É bom perceber que mudamos, que vemos o mundo com olhos diferentes. Ainda bem que você mudou.

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Acho que a premissa desse livro tem tudo para me agradar. E mesmo sem ler acho que o livro pode ser uma ferramenta. Gosto quando os autores retratam a realidade. Gostei de conhecer o livro. Você escreve muito bem.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi oi
    Que história hein!!
    Já anotei o nome com certeza!
    O tema mexe com todos, é muito bom livros assim e é muito boma quando o desenvolvimento da escrita da autora ajuda.

    Beijoos
    http://blogmaiscafe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Lilian, amo esse livro.
    Da trilogia ele é o melhor na minha humilde opinião.
    E me lembro bem do discurso elitista.
    É lindo!

    Lisossomos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não recordava, mas li quando tinha 12 anos, talvez por isso... :(

      Excluir
  7. Esse assunto é tão pesado . Mas infelizmente é a realidade de muitos.
    Adorei a resenha

    ResponderExcluir
  8. Olá!!
    Eu não conhecia o livro e quando você citou que iria reler, eu fiquei meio perdida porque nem ouvi falar dele no colegial, mas o livro aborda temas que eu gostaria de ter lido naquela época, teriam me ajudado com muita coisa, mas acho válido ler hoje em dia. Vou procurar em alguma hora pra fazer a leitura. Fiquei chocada com a história do pai que, para se proteger, mata o filho T_T
    Beijos

    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  9. Olá, sabe acho muito interessante fazermos essas releituras de livros que lemos há muitos anos atrás porque nosso ponto de vista sempre muda, né? Achei esse livro muito interessante, tem uma premissa que chama muito minha atenção, apesar de eu nunca ter ouvido falar dele antes, me deu muita vontade de conferir a história!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá :) Nunca tinha ouvido falar nesse livro, sem dúvida, a história é forte e que mostra a realidade de algumas pessoas, o assunto é instigante, acredito que muitas mudanças ocorrem na vida dos personagens, fiquei com vontade de ler esse livro. Gostei muito da resenha! :) Beijão!
    Blog: http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/
    Página: https://www.facebook.com/BlogWonderfulBooks

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem/
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas ele tem uma temática que não deixará de ser atual nunca!
    Sou professora e me deparo com alunos que se envolvem com drogas diariamente e isso acaba realmente destruindo a vida de alguns deles.


    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro. Me parece impactante e ótimo para jovens leitores!
    Jura que você tinha uns 5 mil livros??? Socorro, que lindo! Meta de vida isso! hahahah
    Sua resenha ficou ótima, de verdade!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia o Livro mas gostei do tema abordado, do menino certinho perfeito, para as drogas, fiquei bem intrigada com relação ao motivo que o levou a isso. Dica mais que anotada. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  14. Olá
    nunca tinha visto nenhum comentário sobre ele, mas eu achei um pouco interessante, mas vou deixar pular a sua dica, pelo menos por um tempo
    Bjks
    Passa Lá - http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Lilian, meu cérebro fundiu quando li CINCO MIL LIVROS! Paaaaaane. Hahaha. Mulher, quantos livros?! Eu tenho uns 500 e já decidi que vou doar, vender ou trocar a maioria deles para deixar na estante somente os que me marcaram e/ou vêm de autores parceiros. Um dia você PRECISA postar suas estantes, hein!?

    Sobre sua resenha, flor, confesso que o livro não me encantou. Já li obras melhores do que essa para o tema abordado e, por isso, não é um livro que presentearia a alguém. Hoje, infelizmente, precisamos deixar tudo às claras para o leitor, porque não podemos esperar dele uma interpretação das entrelinhas.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Assim como a Fran... cinco mil livros? Nossa! Tenho 400 e acho muito! :O hahahah
    Sobre a história, não conhecia o livro, e parece ser uma leitura muito interessante, mas não faria no momento. :/
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  17. Oi Lilian, tudo bem?
    Apesar de interessante, este é um livro que acho que não leria, mas de qualquer forma a coluna releituras é incrível.
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Olaaa
    Nao conhecia o livro mas parece ser bem interessante e diferente, gostei da premissa hahah anotarei a dica.

    Beijos
    Reality of Books

    ResponderExcluir
  19. Oie, tudo bom?
    Nossa, esse livro fez parte da minha adolescência e falava de coisas que atualmente enfrentamos na nossa sociedade. Também acho que teria uma visão diferente se eu fosse ler agora e teria um olhar mais crítico da história.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oii!

    Não conhecia o livro, mas achei a história bem bacana ^^ Gosto bastante de livros que mostram a realidade que muitas vezes as pessoas não enxergam. Com certeza está na minha listinha :)
    Parabéns pela resenha, adorei!

    Beijos, Amanda *-*
    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  21. Oi Lilian
    Não conhecia esse livro, mas gostei bastante da historia, mas não é o tipo de livro que eu leria no momento.
    Agora perai... 5000 LIVROS!!!
    Caraaaaaaaaaaacaaaaaaaaa!!!!

    ResponderExcluir
  22. Oiii.
    Muito boa sua resenha, nunca tinha ouvido falar desse livro, mas acredito que não seja o tipo de livro que eu apreciaria, é muito realistico eu prefiro o mundo de fantasia e romance.
    bjs
    http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

Fanpage

Seguidores

Compre aqui

Compre aqui
Livro Mulheres que não sabem chorar

Link Me

Curta também:

Parcerias

De olho

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Google+ Followers

Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, homossexualidade, violência sexual e alcoolismo. A escritora mantém um blog literário e está sempre bem informada sobre questões sociais que acontecem em nosso país. É defensora da tese de que todos são diferentes e merecem ser tratados com equidade. Ela adora escrever sobre temas que incomodam e diz não ter medo do preconceito. Trabalha no movimento social e acredita que a educação é capaz de trazer mudanças significativas ao país.

Siga-nos por e-mail

Copyright © 2015 • Poesia na alma