Resenha – Olhos D’água, Conceição Evaristo




22 fevereiro 2016


Olhos D’água, de Conceição Evaristo, Pallas Editora, 114 páginas, é um livro de contos, onde a autora sacramenta, com uma linguagem sutil e poética, a pluralidade da existência humana.


SinopseEm Olhos d’água Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem.Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida?Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”.

O conto Olhos D’água, que abre o livro, traz marcas ancestrais da mulher, evocadas como um mantra, “que cor eram os olhos da minha mãe?”, as palavras formam lágrimas. Descobrir a cor dos olhos da mãe é redescobrir a própria história, num ritual rítmico de presente e passado, que entram em harmonia como as águas de um rio calmo.

“E naquela noite a pergunta continuava me atormentando. Havia anos que eu estava fora de minha casa em busca de melhor condição de vida para mim e para minha família: ela e minhas irmãs tinham ficado para trás. Mas eu nunca esquecera a minha mãe. Reconhecia a importância dela na minha vida, não só dela, mas de minhas tias e de todas as mulheres de minha família. E também, já naquela época, eu entoava cantos de louvor a todas nossas ancestrais, que desde a África vinham arando a terra da vida com as próprias mãos, palavras e sangue. Não, eu não esqueço essas Senhoras, nossas Yabás, donas de tantas sabedorias. Mas que cor eram os olhos da minha mãe?”

A tessitura das palavras de Evaristo faz com que cada texto ecoe vida própria à imensidão do horizonte. Sem romantização, sua escrita desvela a   verossimilhança tornando o título palpável. Como no caso da velha Duzu e da jovem Querença, conto intitulado, Duzu-Querença.
Ainda jovem, Duzu foi morar na cidade com os pais, que por falta de condições financeiras, deixaram Duzu aos cuidados e uma mulher que prometia estudos em troca de trabalho. Duzu nunca estudou e acabou num prostíbulo se acostumando aos gritos de mulheres espancadas e a dor da morte. Querença, neta de Duzu, aprendeu com a avó as dores de seu povo. Aprendeu que era preciso reinventar a vida, encontrar novos caminhos.
Já na história de Maria, mãe solteira, que depois de um dia de labuta, com a mão dolorida, pois se cortou com uma faca na casa da patroa, conseguiu comprar melão e outras frutas para seus três filhos. No ônibus, voltando para casa, dá de cara com o pai de seu primeiro filho, que afirma sentir saudade dela e do menino, em seguida, ele, o pai, ergue uma arma e assalta as pessoas no ônibus, deixando a pobre mulher atônita. Os passageiros, revoltados e tomados pela histeria coletiva, determinaram que Maria era a culpada e aos gritos de ‘Lincha!’, espancaram-na até a morte. Maria só queria levar melão aos filhos...

São várias histórias que podem ser perfeitamente encontradas nas páginas de jornais, nas nossas famílias, no vizinho, que enchem nossos olhos d’água. Evaristo conseguiu transformar violência em poesia, transmitir dor pela linguagem, mostrar um recorte social que muitos querem que continuem marginalizados. Olhos D’água é um livro que respira por nossos olhos. 

Por Lilian Farias

28 comentários:

  1. Olá , nunca tinha ouvido falar da autora , mas ela aborda em seus contos seu interesse na população Afro-brasileira, foi algo que me chamou atenção. Com sua resenha, me deu uma empolgação em ler esse livro até pelo fato do livro ser bem curtinho não ter nem 120 paginas . Também irei recomendar o livro para minha amiga que ama livros de contos ♥ ótima resenha ♥

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Não conhecia o livro, mas gostei bastante. Há algum tempo que eu não leio contos, então vou pesquisar mais sobre ele e ver se consigo meu exemplar.

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá Liliam, tbm nunca ouvi falar nessa autora, o segundo conto me deixou bem estarrecida. Nunca tinha lido algo assim, e fiquei com uma certa curiosidade a respeito. Bjkas

    ResponderExcluir
  4. Ooi
    Nunca tinha ouvido falar nem da autora nem do livro. Li só um livro de contos e confesso que não gostei, mas talvez tenha sido o livro...
    Ótima resenha!
    Beijoos!
    www.estantemineira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá Lilian!! Não conhecia a autora nem a obra, mas parece ser bem tocante este livro. Ótima resenha!!
    Bjocas
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  6. Oiii
    Lilian, querida que livro é esse? Eu realmente não conhecia, havia visto apenas a foto que havia nas redes sociais e achei encantador.
    Beijão

    ResponderExcluir
  7. cara, coitada da mulher :O
    como assim ela é linchada? pqp...
    Lili, deve ser uma leitura visceral e ao mesmo tempo revoltante... do tipo que eu realmente gosto de ler... como sempre, a resenha ficou perfeita... e já quero esse livro pra ontem...

    ResponderExcluir
  8. Oi, Lilian
    Ainda não conhecia o livro, mas me interessei. O que me chamou atenção para ler o livro foi esse conto da Duzu. Bateu curiosidade.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Hi baby tudo bem? eu peco muito quando o gênero é conto, não sou muito de ler eles, não por falta de interesse mas sim por que acabo só lendo livros normais! gostei muito da sua resenha e me interessei muito por esse conto, trata de um assunto muito delicado!

    Lilian Valentim
    http://speakcinema.blogspot.com.br/
    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Eita! Que capa maravilhosa e que temática incrível!
    Adorei sua resenha.Muito bom saber da existência desse livro. Espero profundamente um dia tê-lo.
    Abraço;

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oiiie
    que bonita a capa, adorei. Sua resenha me deioxu bem curiosa, gostei do enredo e tentarei ler em breve

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Ai Lilian, somente ao ler a sua resenha já me deu um aperto no coração.
    Faz algum tempo que não leio um livro de contos, ultimamente tenho acompanhado mais romances de fantasia e aventura, então vontade não me faltava de ler o livro por você recomendado.

    umreinomuitodistante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá,

    adorei a capa e sua resenha me deixou curioso em relação a obra. Espero um dia ler. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá

    Não conhecia o livro, adoro contos, mas acho que nunca li um parecido, que aborda temas assim, e pela resenha deu pra perceber que mesmo sendo em poesia a autora aborda os temas de uma forma bem realista,adorei


    Bjss

    ResponderExcluir
  15. Eu amei a premissa do livro! Li uma ficção realista parecida há pouco tempo e também fiquei meio estarrecida com a veracidade da violência que é retratada no livro. Você escreveu muito bem sua resenha! Dá vontade de sair correndo pra ler...
    Até + ver! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curtiu?

    ResponderExcluir
  16. Olá Lilian...
    A capa desse livro parece falar por si só todos os sentimentos que vc expos em sua resenha.
    A ideia do livro é muito boa e parece ter sido feita com sucesso, mas infelizmente ele nao faz o meu estilo por que eu não sou muito adepta de contos...

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  17. Hey,

    Não conhecia a autora ou o livro, mas que intenso. Todas as histórias são muito fortes e carregam uma carga emocional. Foquei interessada, ainda mais se o livro te tocou tanto
    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  18. O, Lilian. A princípio não tinha gostado muito da ideia do livro, mas quando você começou a falar sobre o conto, fiquei apaixonado. Fico muito feliz quando autores deixam de tratar temas "pops" e começam a abordar temas, realmente, reflexivos e chocantes. Com certeza, é uma forma de abrir os olhos dos leitores para obseervar sobre o que nos cerca, sobre injustiças, preconceito e tal.

    HTTP://PORREDELIVROS.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  19. Olá, ótima resenha! Eu gosto muito de livros de contos, ainda não conhecia esse nem a autora, mas pela sua resenha já é uma obra que quero ler, por me parecer ter histórias fortes.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Olá!
    Muito legal a premissa e parece ser contos fortes que trazem a tona a realidade de muitos. Não conhecia, mas gostei do livro. Irei procurar! Sua resenha está maravilhosa.

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Adoro livros de contos para intercalar com livros grandes que eu esteja lendo. Esss é bem interessante. E tem histórias fortes.
    Dica anotada.
    Bj
    Camila Bernardini Coelho

    ResponderExcluir
  22. Olá, não conhecia o livro e o autor, mas curti a forma intensa que ele trás os contos e espero poder lê-los em breve *-*

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  23. Oi Lilian! Uau! Que resenha mais maravilhosa! Gosto de contos que mexem com a gente de alguma forma e esse com certeza seria um desses para mim. Vou anotar para procurar. Beijos!

    Ei Carol, Leia!

    ResponderExcluir
  24. Oii,
    Que capa linda hein! Gostei.
    Mas infelizmente, não sou fã de crônicas.
    Mas achei ele bem interessante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Oie!
    Ainda não conhecia o livro, mas o fato de o autora transformar uma realidade tão dura em poesia com certeza é um livro que merece ser lido. Principalmente por ser assuntos persistentes e que merecem ser abordados.

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Oi Lilian
    Eu estou doida pra ler este livro!
    Eu adoro contos e histórias que retratam o cotidiano.
    A capa deste livro é linda, linda.
    Gostei muito da sua resenha e fiquei ainda mais com vontade de ler este livro.
    Bjs

    www.maeliteratura.com.br

    ResponderExcluir
  27. Eu admiro muito a escrita da Conceição, só li um livro dela até agora, que foi Ponciá Vicêncio, um livro lindo, triste e que me deu grandes reflexões para a vida. Depois de ler sua resenha, só consigo sentir que tenho que ler mais coisas dessa mulher maravilhosa, adoro ver suas entrevistas e a escrita dela é como se ela falasse muito diretamente comigo. Adorei a resenha!

    xoxo <3

    ResponderExcluir
  28. observei em umas indicações de livros para leitura e me interessei pelo de Conceição Evaristo o que me chamou atenção é por ser assuntos presentes que merecem serem abordados e lidos por todos. uma ótima reflexão. adorei

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma