Resenha – O Papel de Parede amarelo




27 abril 2016


Em poucas páginas Charlotte Perkins Gilma consegue com O papel de parede amarelo, Editora Record, desvelar ao leitor o mundo do horror que muitas mulheres, assim como Else, vivenciam.

Debilitada, Else é isolada pelo marido, médico, a viver numa grande casa, mais precisamente em seu quarto. Na visão dele, ela está com uma temporária depressão nervosa. A vida de Else passa ser o confinamento e a vigília de um marido controlador. Só, ela resolve escrever um diário e ficar obsessiva com papel de parede amarelo do quarto. Começa a ver mulheres rastejando por trás do papel de parede, começa a se ver rastejando por trás do papel de parede amarelo. Insegura e neurótica, encontra abrigo e refúgio na solidão total.

“Há nesse papel uma peculiaridade marcante, algo que ninguém além de mim parece notar, que é o fato de que ele muda conforme muda a luz. ”

Apesar de publicado originalmente em 1892, o drama escrito por Charlotte nos mostra uma realidade ainda latente em nossa sociedade, mostra a ferida causada pelo patriarcado. A desconstrução da identidade de uma mulher na figura da submissão e histeria.

“Agora passo muito tempo deitada. John diz que é bom para mim, que devo dormir o máximo que puder.Na verdade adquiri o hábito por causa dele, porque ele me obrigava a dormir por uma hora depois de cada refeição. ”


Desolada, a submissão de Else mostra-se em seus delírios e na representação de sua morte. As regras sociais a qual é submetida a torna tão frágil e submissa quanto um papel. Else é o papel. Else é de fato a mulher que rasteja por traz do papel de parede amarelo. Quantas Elses você conhece? 

Por Lilian Farias

10 comentários:

  1. Olá,

    Eu não conhecia essa obra e preciso dizer que agora com a sua resenha fiquei muito interessada, já quase consigo imaginar todo o sofrimento da protagonista, viver com essa submissão acaba fazendo com que ela perca sua identidade e pior que realmente encontramos isso no nosso dia a dia, seja um marido controlador, dogmas sociais ou até mesmo regras de conduta de alguma instituição, quando poderemos ser nós mesmos? Adorei a dica de leitura e espero poder conferir essa obra em breve. Parabéns pela resenha.

    Abraços
    colecoes-literarias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Lilian, eu já li esse livro e me surpreendi bastante com a história, esta que pode ser interpretada por diversas formas. O que mais me intriga é o jeito como a autora escreveu, ainda mais por causa da época em que foi elaborado. E é bem como voce expressou em seus comentários, por mais que tenjs sido escrito há muito tempo, hoje em dia a temática ainda é forte em nossa sociedade, especialmente sobre a submissão. Enfim, é um livro que pode nos marcar para sempre!!!
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  3. Olá! Recentemente vi uma outra resenha falando a respeito desse mesmo livro ao qual não conhecia. Tanto a sua quanto a outra trazem elementos na medida certa para fazer com que o leitor se interesse pela obra! Acho que isso é um aviso de que preciso ler esse livro o quanto antes... Parabéns! Bjss

    Leitora Compulsiva
    http://olhoscastanhostambemtemoseufascinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Lilian, tudo bem? Adorei sua resenha! O Papel de Parede Amarelo foi uma leitura extremamente enriquecedora para mim! Sentia a dor da personagem, o isolamento, as inquietações... Mesmo sendo um conto, a autora consegue introduzir o leitor na estória de uma maneira muito única. Eu adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. É segunda resenha que leio dele e só me encanto mais. Parece ser uma obra dramática que mostra uma personagem forte na medida em que ela o pode ser. De forma interessante, apesar de ter sido escrito há anos, traz questões bem relevantes para esta época em específico. Verei onde encontro. bj!

    ResponderExcluir
  6. Oi Lilian!
    Adorei a resenha.
    Esse livro chegou aqui em casa a um tempinho e até agora não tive tempo para parar e dar uma chance a ele. Depois dessa resenha pode ter certeza de que agora eu irei lê-lo.

    Beijos
    ummundochamadolivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oie
    meu deeeus, eu recebi esse livro e estou louca pela leitura, adoooorei o gênero e tudo mais e é bem rápida essa leitura né? amei sua resenha

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Já é a quinta resenha que leio desse livro, sempre positivas e cheias de emoção. Confesso que no inicio não havia me interessado pela obra. Mas, depois de tantas indicações, fiquei curiosa.
    bjão
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  9. Oi Lilian, sua linda, tudo bem?
    Nossa, que forte. Fiquei angustiada quando ela começou a ver pessoas atrás do papel e a dura realidade de que é ela mesma, cortou meu coração. Não conhecia esse livro, mas vai para a lista de desejados. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Hello! Tudo bem?
    Recebi O Papel de Parede amarelo da editora e achei a proposta muito interessante.
    A diagramação é simples, mas achei tão bonita né?!
    Fiquei chocada com varias coisas e infelizmente é a realidade.
    Ainda vou ler esse mes, ja vi que vou gostar mto.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma