Resenha – Máquina de inventar instantes




12 maio 2016



Máquina de inventar instantes, de Cícero Almeida, Premius Editora, 95 páginas, foi o encontro casual de afeição e curiosidade. Afeição, pois no primeiro instante que vi a capa do livro, sendo divulgada por meu amigo escritor Leonardo Nóbrega, me encantei. Curiosidade, pois, passado o impacto do encantamento, queria saber do conteúdo.

O nome do blog, Poesia na alma, não deixa dúvidas sobre meu gosto literário. Porém, isso não significa que eu vá gostar de toda poesia ou que eu queira ler toda poesia. Não, eu quero o que eu quero. Eu já li muitos livros de diversos gêneros, tipologias, etc. de modo, que recentemente doei mais de quinhentos livros entre poesias, romances, biografias, inclusive, a primeira biografia que li aos 18, Castro Alves.

Sinopse: Sentir e extrapolar o sentir. É isto que Máquina de Inventar Instantes obriga-nos. Sentir mas, também, ao sentir, experimentar ser, um ser-outro, sem ilusões, sem passividade, sem comodismo, mas em uma territorialidade própria da poesia, próprio da palavra que voa sua própria borda. E descobre-se livre, porque ousou a rebeldia.
 
Hoje, A Máquina de inventar histórias é exatamente o que eu quero. Uma poesia que brinca, acordada, instigante, direta e sem ser superficial. Entre uma conversa íntima e um rasgar de anseios, Cícero Almeida se volta para subjetividade da essência humana.

e depois
eu disse:

bem-aventurados
os que amam
com o coração
em chamas...

Enquanto as palavras dialogam com humanos nus e crus, palavras fazedoras de histórias e efeito modular, imaginava um recital. Senti vontade-saudade de um recital.

de ócio e cio
se faz um poema
O resto é vazio


Poesia não precisa ser rebuscada, longa ou difícil. Poesia precisa emanar vida. Ela nem precisa fazer sentindo, mas tem que ser sentida. A poesia de Cícero é um bicho no cio pronto para uivar. 

7 comentários:

  1. Oiii,
    confesso que não gosto de poesia, acho que já ate disse isso aqui, mas admiro que gosta, w a capa me deixou curiosa, quem sabe pra quebra um pouco o costume eu não procure pra ler não e?

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. O problema é: dificilmente poesia me faz sentir alguma coisa. Gosto de pouquíssimas, e os trechos que você colocou infelizmente não me disseram nada. Também acho que a poesia precisa emanar vida, mas tenho uma relação bem difícil com o gênero, é muito raro que eu consiga me envolver, então passo a dica.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  3. Que capa linda, sério, fiquei um bom tempo analisando! Gostei muito do seu texto, deu pra entender que o autor não tentou complicar as poesias, mas ainda assim deixou bem cativante.

    ResponderExcluir
  4. Oie
    muito bonita a capa e parece ser uma leitura muito legal, gostei da resenha e vou anotar a dica, quem sabe não tenha oportunidade de ler

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Poesia nunca foi muito o meu tipo de leitura, mas me interessei pela capa do livro e acho que poderia dar uma chance.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto de ler poesias, pois elas refletem o mais profundo sentimento da pessoa, eu muitas das vezes me identifico. Gostei desse livro. Bjkas

    ResponderExcluir
  7. Oioi! Tudo bem?
    Não conhecia o livro Máquina de inventar instantes, acho que por nao ser mto fã de poesias, eu nao procuro mto esse tipo de literatura.
    Concordo com vc, poesia não precisa ser rebuscada, longa ou difícil.
    Gostei da resenha, me interessei em conhecer o trabalho do Cícero Almeida.
    Beijos

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma