As coisas - Jorge Luis Borges




15 janeiro 2017

By imagem - GWS. Digital Art . 2016



A bengala, as moedas, o chaveiro,
A dócil fechadura, as tardias
Notas que não lerão os poucos dias
Que me restam, os naipes e o tabuleiro.
Um livro e em suas páginas a seca
Violeta, monumento de uma tarde
Sem dúvida inesquecível e já esquecida,
O rubro espelho ocidental em que arde
Uma ilusória aurora. Quantas coisas,
Limas, umbrais, atlas, taças, cravos,
Nos servem como tácitos escravos,
Cegas e estranhamente sigilosas!
Durarão para além de nosso esquecimento;
Nunca saberão que nos fomos num momento.


Jorge Luis Borges nasceu em 1899 na cidade de Buenos Aires, capital da Argentina e faleceu em Genebra, no ano de 1986. É considerado o maior poeta argentino e, sem dúvida, um dos mais importantes da América Latina. "Seu texto é sempre o de uma pessoa que, reconhecendo honestamente a fragilidade e as limitações do ser humano, nos coloca diante de reflexões nas quais, com freqüência, está presente o nosso próprio destino." (Miguel A. Paladino).


O texto acima foi extraído do livro "Elogio da Sombra", Editora Globo/MEC - Porto Alegre, 1971, pág. 24 (tradução de Carlos Nejar e Alfredo Jacques; revisão da tradução: Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz).

Fonte  - Releituras

4 comentários:

  1. Que coisa mais linda essa postagem! Fiquei encantada e cada vez que venho nesse blog, uma nova surpresa <3
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  2. Olá, não conhecia o autor, mas curti seu poema *--* Já anotei o nome do livro de onde ele foi retirado e espero em breve ter a oportunidade de lê-lo *-*

    http://meumundo-meuestilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi
    nunca tinha lido nada do autor. Apesar de não curtir muito poesia, gosto muito quando leio!
    Essa é muito profunda!
    Bjus

    ResponderExcluir
  4. Oii, tudo bem?
    Não sou muito de poesia e poemas, por isso o texto não foi para mim, mas quem gosta com certeza vai se identificar.
    Parabéns pelo blog maravilhoso.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma