A Burguesia nasce mentindo – de Eduardo Galeano




03 março 2017



–  Lutamos pela terra – diz Zapata – e não por ilusões que não dão o que comer... com eleições ou sem eleições, o povo anda ruminando amarguras.

Enquanto arranca terra de camponeses de Morelos e arrasa suas aldeias, o presidente Carranza fala de reforma agrária. Enquanto aplica o terror de Estado contra os pobres, outorga o direito de votar nos ricos e brinda os analfabetos com a liberdade de imprensa.


A nova burguesia mexicana, filha voraz da guerra e do saqueio, entoa hinos de louvor à Revolução enquanto a engole com faca e garfo em mesa de toalha bordada. 


Texto extraído do livro  Memória do fogo 3: O século do vento

(Galeano, Eduardo, 1940 – Memória do fogo 3: O século do vento / Eduardo Galeano; tradução Eric Nepomuceno. – Porto Alegre – L&PM, 1998. p.378. pág. 80)

22 comentários:

  1. Eu nunca li nada do autor e essa trilogia era desconhecia para mim até pouco tempo atrás. Achei esse trecho bem interessante.

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro. O trecho que você trouxe é bem interessante.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Um texto bem reflexivo, confesso que na primeira leitura tive dificuldade de entender, dps fui assimilando.
    Não conhecia e achei interessante.
    Espero ler mais sobre aqui no seu blog.

    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  4. Galeano dá um tapa na cara dos ignorantes políticos... <3
    tem como não amar a obra desse homem? *--*

    ResponderExcluir
  5. Acredita que ainda não li nada do Galeano? Vergonha
    Tem coisa parada na estante, mas vou dar um jeito nisso logo!

    ResponderExcluir
  6. Olá!!! Ainda não conhecia a obra. Muito bom você compartilhar
    e trazer diferentes autores. bjoooooo

    ResponderExcluir
  7. Foi um prazer conhecer a escrita do autor através desse pequeno texto!
    Um texto bem profundo e reflexivo!!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Galeano, né?
    É incrível como as reflexões políticas vindas do meio literário sempre conseguem nos causar comoção... Talvez porque os escritores exprimam o que os jornalistas não conseguem: o sentimento de um povo perante às injustiças sociais.

    ;*

    ResponderExcluir
  9. Sou uma amante de Zapata, tenho um livro de sua biografia e sou apaixonada, Eduardo está se tornando um dos autores que está despertando muito mais meu interesse que eu pensava.
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  10. Galeano mostra bem como a política acaba sempre beneficiando os que tem dinheiro, em vez do povo mais humilde, a quem de fato deveria servir.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  11. Olá, não conhecia a obra nem o autor, confesso que achei muito interessante, esses temas são de total importância para reflexão.
    Beijos..
    Meu Livro Fantástico | Facebook

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Em um trecho bem curto já deu para perceber o tom politizado e reflexivo do livro. Gostaria de saber mais sobre o autor, sinopse e resenhas. Encontro aqui no blog?

    Beijos!
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
  13. Oie tudo bem? Não tinha conhecimento ainda tanto dá obra quanto do autor, mas gostei do trecho que você trouxe pra nós. Não é o que eu procuro ler, mas de qualquer maneira interessante.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Não conhecia a obra e arrisco dizer, envergonhada, que não conhecia o autor. Achei o texto forte, real e impactante. Bem parecido com o nosso dia-a-dia. Obrigada por compartilha-lo.
    Abs
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  15. olá *-*

    ainda não conhecia fiquei curiosa irei da uma procurada e conhecer mais.


    Bjsss

    ResponderExcluir
  16. Não sou muito atraída por esse tipo de premissa, mas como leio de tudo anotei a dica <3

    ResponderExcluir
  17. Olá, não conhecia o autor e nem essa sua obra, mas por esse trecho que você trouxe parece ser um livro bem reflexivo *-* Dica anotada.

    Meu Mundo, Meu Estilo

    ResponderExcluir
  18. Não me interessei pelo enredo. Gostei dos quotes, mas deu a entender que a linguagem seria crua. Acho um tanto fatídico temáticas que envolvam estado e burguesia. Prefiro temas mais gritantes como Guerras.

    ResponderExcluir
  19. Nunca ouvi falar do autor, muito menos do livro. Admito, aparentemente não é a leitura com a qual tô acostumada, mas sempre bom conhecer novos trabalhos :D

    ResponderExcluir
  20. Oie
    não conhecia o autor ou o livro mas esse blog sempre me faz conhecer novas dicas que fogem do meu cotidiano e gosto disso, parabéns pelo post

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma