A lenda da puta Evelyn Roe - de Bertold Brecht




28 julho 2017
Marta Bevacqua



Quando veio a primavera e o mar ficou azul
A bordo chegou
Com a última canoa
A jovem Evlyn Roe.

Usava um pano sobre o corpo
Que era bonito, bem vistoso.
Não tinha ouro ou ornamento
Exceto o cabelo generoso.

"Seu Capitão, leve-me à Terra Santa
Tenho que ver Jesus Cristo."
"Venha junto, pois somos tolos, e é uma mulher
Como não temos visto."

"Ele recompensará. Sou uma pobre garota.
Minha alma pertence a Jesus."
"Então pode nos dar seu corpo!
Pois o seu senhor não pode pagar:
Ele já morreu, dizem que na cruz."

Eles navegavam com sol e vento
E Evlyn Roe amaram.
Ela comia seu pão e bebia seu vinho
E nisso sempre chorava.

Eles dançavam à noite, dançavam de dia
Não cuidavam do timão.
Evlyn Roe era tímida e suave;
Eles eram duros e sem coração.

A primavera se foi. O verão acabou.
Ela à noite corria, os pés em sujas sapatilhas
De um mastro a outro, olhando no breu
Procurando praias tranquilas
A pobre Evlyn Roe.

Ela dançava à noite, dançava de dia.
E ficou quase doente, cansada.
"Seu Capitão, quando chegaremos
À Cidade Sagrada?"

O capitão estava em seu colo
E sorrindo a beijou:
"De quem é a culpa, se nunca chegamos
Só pode ser de Evlyn Roe."

Ela dançava à noite, dançava de dia
Até ficar inteiramente esgotada.
Do capitão ao mais novo grumete
Todos estavam dela saciados.

Usava um vestido de seda
Com uns rasgões e remendos
E na fronte desfigurada tinha
Uma mecha de cabelos sebentos.

"Nunca Te verei, Jesus
Com esse corpo pecador.
A uma puta qualquer
Não podes dar Teu amor."

De um lado para outro corria
Os pés e o coração lhe começavam a pesar:
Uma noite, já quando ninguém via
Uma noite desceu para o mar.

Isto se deu no fim de janeiro
Ela nadou muito tempo no frio
A temperatura aumenta, os ramos florescem
Somente em março ou abril.

Abandonou-se às ondas escuras
Que a lavaram por dentro e por fora.
Chegará antes à Terra Sagrada
Pois o capitão ainda demora.

Ao chegar ao céu, já na primavera
S. Pedro, na porta, a recusou:
"Deus me disse: Não quero aqui
A prostituta Evlyn Roe."

E ao chegar ao inferno
O portão fechado encontrou:
O Diabo gritou: "Não quero aqui
A beata Evlyn Roe."

Assim vagou no vento e no espaço
E nunca mais parou
Num fim de tarde eu a vi passar no campo:
Tropeçava muito. Não encontrava descanso
A pobre Evlyn Roe.


(Poemas 1913-1956. Tradução de Paulo César de Souza)

9 comentários:

  1. Que poesia incrível! Não tenho nem palavras para descrever, amei.

    ResponderExcluir
  2. Que poema maravilhoso Lilian, é uma forma de conhecermos melhor a Evelyn, vou pesquisar saber mais sobre o autor.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Que linda poesia, que história fantástica! Amei a leitura!
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Poesia maravilhosa. Eu sei que eu não sou uma grande leitora de poemas, mas eu realmente gosto dos que você posta.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie
    lindo poema, adorei, era o que eu estava precisando depois de um dia bem cansativo

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Gente que poema meio triste no final. Senti pena da Evelyn! Pior que apesar da metáfora, essa é uma realidade ainda de muitas mulheres sobre não ter para onde ir. Ótima escolha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por ler. obrigada por interagir.

      Excluir
  7. é uma poesia forte, evelyn foi "inocente" e acabou se perdendo de vista. As pessoas a usaram e ela acabou sem ter pra onde ir... Uma metáfora excelente e muito triste como disse a Carol!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela interação, Ana. Realmente, uma poesia-soco-no-estômago

      Excluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 
Autora dos livros O Céu é Logo Ali, Mulheres Que Não Sabem Chorar e Desconectada. Em seus livros ela aborda temas como sexualidade, liberdade, amor, preconceito, gênero, violência sexual, alcoolismo, etc. A escritora mantém um blog literário e trabalha com educação.

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma