Header Ads

Resenha – A parte que falta





A parte que falta, de Shel Silverstein, Companhia das Letrinhas, escrito em 1976 e lançado no Brasil a primeira vez em 2013, traz em suas linhas sensibilidade e poesia para uma temática infantil e adulta: a plenitude. Geometricamente circular, o personagem dessa história se sente incompleto. Falta algo. Afinal, o que nos falta para que possamos atingir a plenitude? Felicidade? Paz interior? Dinheiro? Romantismo? Liberdade?

“Oh, busco a parte que falta em mim,
A parte que falta em mim.
Ai-ai-iô, assim eu vou,
Em busca da parte que falta em mim.”


Às vezes, buscar a parte que falta é uma jordana de uma vida inteira, outras, é fragmentada em fases e para cada fase falta algo único. O círculo não estava feliz e decidiu encontrar o que faltava sem perder o foco. Mas será que suportamos uma carga ininterrupta de felicidade? Ou que vale nesta jornada não é a chegada, mas o caminho?

“Como lhe faltava uma parte,
Não conseguia rolar muito rápido.
Assim, podia parar
Pra conversar com uma minhoca,
Sentir o aroma de uma flor”


O caminho é permeado de aventuras, frustrações, perigos, intempéries, fazendo com que coisas rotineiras se tornem intensas por serem simples e promovam inspiração. A parte que falta não responde perguntas, muito menos, faz perguntas, mas deixa pulgas atrás de orelhas atentas e curiosas. O importante, neste caso, não é se o círculo encontra a parte que falta, mas o que ela faz com essas vivências.

8 comentários:

  1. Oi Lilian, eu tenho acompanhado o sucesso que este livro, de aparência tão singela, vem fazendo. Já está na minha lista, assim que possível, quero na minha biblioteca particular.
    Bjos
    Vivi
    http://duaslivreiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Conheci e li esse livro com aquele vídeo de Jout Jout que deixou ele famosinho.
    Achei o livro de uma sensibilidade incrível, e não fazia a mínima ideia que ele tinha sido publicado a tanto tempo, pensei que era uma obra recente.

    Queria ter ele na minha estante.

    xoxo
    Tiffannyk
    www.thereviewbooks.com.br | @thereviewbooks

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lilian! Tudo bem?
    Eu estou de olho nesse livro desde que ele foi lançado, porque ele parece ser uma leitura bem tocante. Adoro esse tipo de livro que, por meio de uma história aparentemente simples, leva o leitor a refletir.
    Adorei a resenha e espero ler em breve.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho vontade de comprar esse livro, eu lembro que o conheci através de um vídeo da Jout Jout e gostei muito da proposta da obra, quero também a continuação. Adorei ver a sua resenha sobre ele.

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bem? Adorei o post, sinto vontade de ler esse livro desde o vídeo da JoutJout, sua resenha só reforçou minha vontade kkkk

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda não consegui comprar essa edição, mas espero fazer isso em breve. Consegui folhear na livraria e como pode um livro tão simples ser tão reflexivo?

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  7. Conheço o livro, e mesmo com tantos pontos positivos que já falaram deste livro, confesso que não tenho muita curiosidade na leitura.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  8. Oii.
    Li os dois livrinhos da Parte que falta, e simplesmente adorei. É um livro infantil que vai além do infantil, pode ser lido por qualquer pessoa e tem uma mensagem super bacana de autoaceitação e amor a si mesmo.
    Super recomento, acho que são valores que todos a precisam aprender desde cedo.
    Abraços, Mary.
    http://leiturasdamary.blogspot.com/

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma