Header Ads

Amor que serena, termina?

by imagem Harkale-Linai


Amor que serena, termina?
começa? que nova
velhice o espera para viver?
qual fulgor? amor surgindo

de si mesmo a si mesmo sendo
também memória de si
comendo
de si, que velha

sombra chupará sua nuca? Oh pestes
que visitaram meu país
atacaram se foram
alheias como o vento


(Amor que serena, termina?- Juan Gelman
Tradução e seleção Eric Nepomuceno – edição bilíngüe 2001
Editora Record)

9 comentários:

  1. Nossa, achei pesado, me deu até um arrepio.
    Gostei muito da escolha do poema, ahazou!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. impactante, apenas isso que consigo dizer sobre..

    ResponderExcluir
  4. Com certeza o amor que serena não termina, pelo menos ao meu ver, pode ser que ela possa não crescer e florescer mas estará sempre ali presente. Como o amor próprio que as vezes adormece, mas nunca acaba.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Que intenso! Acredito que o verdadeiro sentimento é sereno, simples.
    Com certeza o autor quis passar mais algumas reflexões que lendo em um primeiro momento não consegui captar, mas gostei da escolha.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Poema bem impactante e ao mesmo tempo leve (pode isso? rs). Pelo menos foi o que passou pra mim. Adorei.
    Bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  7. Impactante, né?
    Achei bem intenso, mas reflexivo.

    ResponderExcluir
  8. Uau, que poema impactante!
    Me deixou bastante reflexiva e arrepiada. Amo o que a literatura nos proporciona com sentimentos e emoções.
    Adorei a escolha, beijos!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma