Header Ads

ela ardeu/ manuel cintra






Dobrou-se sobre ela puxou-lhe fogo
Escancarou-lhe os olhos puxou-lhe fogo
Cerziu-se-lhe no peito puxou-lhe fogo
Tirou-lhe pó de cima puxou-lhe fogo
Sentiu-se tão pesado puxou-lhe fogo
Cobriu-a de ar; destapou-lhe a carne; mordeu.

Era fim de tarde era depressa era comprido
Verteu palavras tenras até já não ter voz
Chorou, soletrou-lhe o corpo membro a membro
E foi no soalho a solidão de a desventrar
Tremeu tremeu puxou-lhe fogo

E ela ardeu

(Manuel Cintra)

7 comentários:

  1. Que poema intenso, reli três vezes para conseguir compreender o que estava descrito nas entrelinhas, acredito que vão existir diversas interpretações do que está descrito. Mas acredito que vai da história de vida de cada um, a forma como vê o que esta descrito, gostei muito, das escolha das palavras, e a composição da mesma. Poema incrível.

    ResponderExcluir
  2. Confesso que na primeira vez que li eu não entendi, mas agora na terceira vez eu entendi mais ou menos kkkk Devo estar péssima na interpretação.
    Mas a intenção da poesia é justamente essa né, a gente lê e cada pessoa entende aquilo de acordo com a vida dela.
    Achei as palavras muito bem colocadas, bem intensas.

    ResponderExcluir
  3. Oiieee

    Eu gosto de ler poemas, mas alguns admito que tenho dificuldade em interpretar, a primeira vez que li este, fiquei confusa, na segunda deu uma clareada, mas ainda assim este me parece um poema dificil, que diz pouco ou diz muito, depende dos olhos e da mente de cada leitor. Escrever algo assim demanda um talento e uma sensibilidade inacreditáveis, sempre uma honra contemplar trabalhos assim, ainda que nem sempre eu cosiga entender tudo à fundo

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa relação com a poesia é normal. Lembro-Me que sentia dificuldade com Borges, não compreendia, levou anos para me ajustar a escrita dele e um belo dia aconteceu. O que percebi, é que às vezes, alguns textos precisam de mais maturidade do leitor . A primeira vez que li Lispector, tinha menos de 15 anos e não conseguia entender nada, quase dez anos depois, virou minha paixão literária, foi um longo caminho 😊😊😊😊

      Excluir

  4. Lendo os comentários pude ver que não fui a única que teve dificuldades para interpretar as palavas. Acho que essa é a magia do poema, né? Ler, reler, pensar, refletir e absorver. Amei

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Que texto mais incrível. O que mais gosto é que a cada leitura conseguimos interpretar algo novo. Minha parte favorita é "era fim de tarde"... esse é um dos momentos que mais gosto. Quando tudo começa silenciar, quando vem o pôr do sol, quando o céu fica alaranjado, mistura-se com o azul e agradecemos o dia que tivemos. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou totalmente entregue a essa poesia pela seu erotismo pungente. O corpo em êxtase em contato com outro corpo. Amo o erotismo bem construído na literatura.

      Excluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma