Header Ads

Resenha – Quarto de despejo





Não digam que fui rebotalho,
que vivi à margem da vida.
Digam que eu procurava trabalho,
mas fui sempre preterida.
Digam ao povo brasileiro
que meu sonho era ser escritora,
mas eu não tinha dinheiro
para pagar uma editora.
(Carolina Maria de Jesus)

Quarto de Despejo, publicado inicialmente em 1960, de Carolina Maria de Jesus, é um nome simbólico para descrever a experiência da autora, seus filhos e vizinhos, no período de 1955 a 1960, na Favela do Canindé, São Paulo. A tônica da obra está nos desdobramentos daqueles que vivem à margem, esquecidos pelo governo, dentre eles, a própria autora.

Estou no quarto de despejo, e o que está no quarto de despejo ou queima-se ou joga-se no lixo.

Em forma de diário, Carolina faz um desabafo da miséria que a cerca. Da fome como intrusa insistente. Do pouco dinheiro que contabiliza todos os dias para ter menos que o mínimo para sobreviver e como o lixo pode se tornar a única opção. De toda a violência dentro e fora da favela. E principalmente, como o suicídio é uma ideia recorrente em momentos de desespero.

... hoje não temos nada para comer. Queria convidar os filhos para suicidar-nos. Desisti. Olhei meus filhos e fiquei com dó. Eles estão cheios de vida.

... é uma vergonha para uma nação. Uma pessoa matar-se porque passa fome.

Não havia papel nas ruas. Passei o dia no frigorífico. Havia jogado muitas linguiças no lixo. Separei as que não estava estrada. (...) Eu não quero enfraquecer e não posso comprar. E tenho um apetite de leão. Então recorro ao lixo.

Apesar de ser um diário, um desabafo de seu dia a dia, entre acordar, pegar água, cuidar dos filhos, catar papel, escrever e ler, Carolina também denuncia uma realidade que não está tão distante de nós. Os olhos de como essa mulher se enxerga na favela, enxerga o outro, de como se enxerga fora da favela e enxerga o outro.

A favela é o quarto de despejo. E as autoridades ignoram que tem o quarto de despejo.

Em parte, denuncia a violência e vícios do povo da favela em seu convívio diário, de outro, reconhece o racismo e violência policial contra o povo negro. “Ele estava revoltado com um guarda civil que espancou um preto e amarrou numa árvore. O guarda civil é branco. Há certos brancos que transforma preto em bode expiatório”. Essa cena, que poderia estar no passado, ainda se faz presente, porque ainda é o povo pobre e preto da favela que morre todos os dias na mão da polícia, governo ou milícias.



Diante disso, a autora tem poucos refúgios, escrever, ler e ouvir música. E é nesses momentos que podemos conhecer a Carolina que quando feliz, raros momentos, escreve um samba. Ou a mulher sensível que faz uma poesia sobre o amor e ódio. Esses momentos são escassos porque na maioria das vezes, Carolina está preocupada com a fome que tem endereço certo.

A narrativa de teor testemunhal, não faz a autora se perder apenas em palavras secas, ela investe num tom poético, filosófico e melancólico. Suas opiniões sobre diversos temas como o machismo, política, racismo, suicídio, alcoolismo, educação, etc., são fortes, isso porque a obra é apresentada em forma de diário.

Eu escrevia peças e apresentava aos diretores de circos. Eles respondia-me:
- É pena você ser preta.
Esquecendo eles que eu adoro minha pele negra, e o meu cabelo rustico.(...). Se é que existe reencarnação, eu quero voltar sempre preta.

Carolina narra os eventos coletivos, mas sem tangenciar o seu eu, sua identidade. A mulher negra, escritora, poetisa, de poucas oportunidades, melancólica e solitária. “Antigamente eu cantava. Agora deixei de cantar, porque a alegria afastou-se para dar lugar a tristeza que envelhece o coração”.

O desânimo e os pensamentos suicidas, às vezes, perdiam espaço nos sonhos de Carolina de uma vida melhor, de sair da favela, ter comida no prato, moradia descente, sapato para sua filha Vera, daquela que ocupa o lugar de artista. Nesse ponto, entramos em outro aspecto de denúncia, o lugar da mulher negra na literatura e acesso a arte e cultura.



Carolina foi uma mulher negra, favelada e catadora de papel, que tinha responsabilidades e se coloca como cidadã “O meu registro geral é 845.936” e isso a faz questionar e se posicionar politicamente de um lugar abandonado, marginalizado, a voz de quem passa fome, pois, segundo a autora, o país só pode melhorar se governado por alguém que já passou fome. Logo, este diário não se trata de uma mulher estereótipo da favela, nem mesmo de uma mulher à frente de seu tempo (se é que isso existe), mas uma artista que questiona seu tempo, que questiona a política e economia de seu momento histórico e geográfico e que dá voz aos oprimidos.  

22 comentários:

  1. Olá!
    Realmente, esse parece ser um livro bem impactante. Quantos anos se passaram desde que foi escrito e como nada parece ter mudado, não é mesmo? Isso é triste e nós faz questionar o que mais podemos fazer para mudar isso. E há tanta coisa!
    Adorei a dica e já a anotei. Ótima resenha!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Lilian.

    Eu não conhecia este livro, mas pela sua resenha mostrou que é uma leitura marcante com opiniões fortes. Com certeza quero saber os pensamentos dela sobre machismo, política, racismo e muito mais. Obrigada pela dica.

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Esse livro tá na TBR do projeto que eu tô participando, eu tô muito ansiosa pra ler, principalmente depois daquela série da globo, Segunda Chamada.
    Acho super importante que a gente conheça essas realidades e leia esses livros que são sempre extremamente tocantes e cheios de ensinamentos. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  4. Já ouvi falar muito nesse livro, não sabia que havia essa parte dos pensamentos suicidas até ler seu post. É uma leitura que quero muito fazer, me parece ser uma obra muito marcante.

    ResponderExcluir
  5. É triste perceber que as situações e dificuldades que ela relata, não ficaram no passado. =/

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  6. "Quarto de despejo" é um dos livros que mais me acrescentou consciência sobre as mazelas sociais e as questões raciais existentes na formação do povo brasileiro. O tipo de livro que deveria ser leitura obrigatória em escolas. O fato dele ser uma organização de trechos de seus diários, me faz pensar que em todos os volumes que ela escreveu em anos, contém uma constante dor e desalento de ser sempre marginal, estar a margem da sociedade.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Esse livro passou o ano todinho na minha lista e ainda não consegui lê-lo. Acho que vou me emocionar demais com toda a trajetória dela, pelas frases, já me emocionei.
    Parabéns pela resenha!

    xêro|| Johany Medeiros

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Nossa, que leitura importante! Eu como uma ex-moradora de favela (se é que esse termo existe?) sei os percalços e o duro trabalho que se tem lá dentro. Fora que a versão vista lá dentro, nem sempre é que a as pessoas veem do asfalto. Fiquei super curiosa, pois algumas partes lembram algumas dificuldades de amigos e conhecidos lá dentro, e que com certeza mostrará uma realidade que é igual a de outras N favelas, N pessoas pobres e dos negros. Dica mais que anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Esse livro parece ter uma carga emotiva bem grande. São assuntos bem fortes e que devem ser discutidos com certeza, é uma realidade que muitos não conhecem, só quem vive ou viveu sabe. Vou anotar a dica com certeza! Quero muito conhecer essa realidade da autora.

    ResponderExcluir
  10. Eu não conhecia a autora, até que um dia participei de um desafio nas redes sociais e descobri o nome dela por acaso. Achei que ela era de uma força sensacional, ainda mais pela vida que levava. Ela não tinha vergonha de dizer quem era ou o que era. E acho que falta isso em muita gente ainda (talvez em mim também). Ela vivia uma realidade que muitos sabem, mas não fazem nada para mudar, embora tenham a autoridade para tal. Preferem deixar como se fosse de fato um "quarto de despejo". É triste e tão real, que assusta.
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  11. Achei interessante a figura importante que essa história vai trazer. Ainda mais uma mulher negra, questionando todos esses assuntos opressores da época. Eu sei por experiência, o quanto já é difícil uma mulher querer conquistar a própria voz em qualquer época que seja.

    ResponderExcluir
  12. É impossível não se emocionar e sentir o coração doer só de ler sua resenha. É um livro que definitivamente eu preciso ler e que, mesmo anos depois, ainda é extremamente atual. Ótima resenha, obrigada por me apresentar o livro.

    ResponderExcluir
  13. Ouço maravilhas a respeito desse diário da minha xará. Mas, confesso ainda não estar preparada para ler algo tão pungente. Sou bem fraca pra alguns assuntos. E a realidade é uma das coisas que mais me assustam!!! Mas, quero conseguir um dia.
    Abraços

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir
  14. Ei, eu já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas nunca peguei para ler. Agora, lendo a sua resenha, percebo o que estou perdendo. "Quarto de Despejo" parece ser daqueles livros que tocam a gente, com a realidade que existe dentro deles. Vou buscar esse livro para ler. Obrigada pela dica e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  15. Quarto de despejo é um livro muito forte. é aquele livro que doi durante a leitura, mas que é muito necessario

    ResponderExcluir
  16. Oi oi,
    Não conhecia a obra, mas achei ela bem intensa e tocante com a forma de a autora retratar sobre o cenário do livro. Adorei a sua resenha, e mesmo não sendo fã do gênero, gostei de conhecer o enredo da obra. Vou anotar essa dica, pois me senti tocada com as citações do livro.

    Beijoss

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bem? Que indicação mais interessante. Diria até que seu enredo é bem forte. Falar sobre alguns assuntos as vezes é delicado. Primeiro porque as pessoas não conseguem expor seu ponto de vista sem discutir ou ainda esperam resolver tudo brigando. Preconceito racial ainda existe? Sem dúvida. Mas em alguns lugares essas pessoas são mais preconceituosas do que os próprios brancos. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  18. Que resenha!! Eu já tinha ouvido falar sobre o livro, mas nunca fui mais a fundo pra saber do que se tratava ou fazer a leitura. Não sei dizer o porquê. Agora já quero muito ler. É inegável a importância de livros como esse para a conscientização social das pessoas, livros antigos e tão atuais que mostram a realidade crua que as vezes nossos olhos não alcançam.

    ResponderExcluir
  19. Lili, quero muito ler Quarto de despejo. Desde que vi outro dia tu falando da leitura que tava fazendo dele e eu babando pra ler tbm. Deve ser lido, discutido, estar sempre em alta nas pautas sobre racismo e das demais temas que carrega, pq tem muita gente vendo o óbvio e continuando a passar pano pra gente preconceituosa. 🙄

    ResponderExcluir
  20. Essa parte: "... é uma vergonha para uma nação. Uma pessoa matar-se porque passa fome." Ler essa parte foi como tomar um soco, é amargo saber que isso existe do nosso lado, pessoas pensando em suicídio por estarem com fome e verem filhos passando fome. Eu preciso ler esse livro e eu sua resenha Lilis me fez querer ler e sentir as palavras e críticas de Carolina a coisas tão naturalizadas mas duras.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma