Header Ads

Resenha – Este não é um livro de princesas






Este não é um livro de princesas, de Blandina Franco e José Carlos Lollo, Editora Peirópolis, é um livro que vai direto ao ponto, foi pensado para as pessoas livres, especiais ao seu modo. Aquelas pessoas que se habilitam a sonhar.

Este é um livro que não se passa em um reino distante

Selecionado para o Projeto Leitura Feminista, em parceria com a editora Peirópolis, a obra desmitifica a ideia que para ser especial tem que ser princesa porque o que torna a personagem especial, é sua capacidade de sonhar. Enquanto a princesa vive numa caixa do inconsciente coletivo, este, que não é um livro para princesas, tem uma personagem debruçada na janela sonhando e tecendo a vida.

Este é um livro que não começa com 'Era uma vez'

Com páginas bordadas, a ilustração remete ao coser, com linha e agulha, damos formas, remendamos, recriamos, desfazemos, fazemos novamente e assim é a vida fora de um quadrado, de uma obrigação social.

Não à toa que esse livro foi selecionado pra o projeto, quantas crianças em lugar de ser crianças, precisam sucumbir aos planos adultos de uma vida perfeita? Quantas meninas nascem com o ideal de princesa? E o que faz uma princesa? Quanto pesa o rótulo da princesa? Como uma coroa pode matar nossos espíritos? Romper com esse paradigma social requer tempo, mas também resiliência, eis que os livros infantis deixam suas reflexões, costuram palavras para construir uma nova ideia e não atrofiar a criança que sonha.



13 comentários:

  1. Olá!
    Vi esse livro essa semana aqui na internet e gostei muito da edição, achei muito personalizada e linda. Acho que vou gostar muito dessa leitura.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Uau, a edição parece ser maravilhosa! Não conhecia o livro ainda, mas achei a proposta bem diferente e interessante, e fiquei curiosa para ler. Adorei a resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Opa, tudo bem por aí?

    Não conhecia a obra e nem o projeto. Acho extremamente válido todos esses pontos que você levantou em sua resenha. Aproveitando o gancho do seu post, uma coisa dos últimos anos que eu achei bem válida também e importante foi o fato de a Disney não mais colocar as princesas sempre se casando ao final das animações, porque isso fazia as garotas, principalmente, desde a infância já crescerem com essa ideia de que precisavam de um casamento para ser feliz. Eu acredito que vai muito além disso. Devemos incentivar as crianças a muitas outras coisas e não apenas a esses rótulos que existem. Parabéns pelo post!

    Abraços!
    Acampamento da Leitura

    ResponderExcluir
  4. os livros infantis são incriveis né! Eu tô fazendo minha monografia baseada neles e nossa, é cada coisa que eles fazem, que eu fico abismada.
    Não conhecia esse livro, mas só de ter quebrado o padrão das princesas, já me deicou encantada! Cada vez mais é necessário mostrar pras meninas que elas podem ser qualquer coisa e estar em qualquer lugar, desde que essa seja a vontade delas e não uma imposição ou uma construção que enfiaram na cabeça delas! Adorei essa dica e já preciso desse livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, não é à toa que tenho uma prateleira só para os infantis, acho mais inteligentes hhehehehee

      Excluir
  5. Oi Lilian!!

    Eu adoro as dicas de livros que você traz em seu blog, são sempre livros tão importante e com temáticas tão relevantes e necessárias! Eu adorei a premissa desse livro, sempre me pergunto também porque para ser especial o feminino tem que ser sempre uma princesa? Se eu tiver oportunidade sem dúvidas lerei esse livro, vou por em minha lista de leitura!!

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  6. Esse livro parece ser uma ótima leitura, com abordagem muito importante, gostei bastante da premissa dele e da história de forma geral, curiosa pela leitura!

    ResponderExcluir
  7. Oie, tudo bem? Essa edição é tão diferente e bonita. Interessante abordar esse tema. Acredito que os planos dos adultos para as crianças têm dois lados. É possível analisar de duas maneiras. Primeiro eles se importam com o futuro dos filhos. Quem não tem planos é mais difícil chegar a algum lugar. Segundo a criança precisa conhecer o mundo e escolher seu próprio caminho. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia ainda essa obra, achei um livro deveras curiosos ,com uma abordagem bem diferente dos que costumo ler É uma obra que gostaria muito de conhecer, para saber em quais pensamentos ela me levaria. Bastante curiosa aqui

    ResponderExcluir
  9. OIieee


    Ainda não tinha visto esse livro, que edição incrivel, achei bacana o formato. Com certeza leria essa obra, acho importante esse tipo de tema ser abordado, traz reflexão pra nós mulheres e nos ajuda a tentar trazer um futuro diferente para as nossas crianças.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  10. Um livro interessante que eu não conhecia e pelo visto a edição detalhada tem sua importância para com a história e o movimento desse projeto também. Tanto o projeto quando a obra tem suas reflexões e abre mão a vários debates necessários. Boa sorte e obrigado pela dica incrível!

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem? Que ideia mais incrível de desmistificar o ideal da princesa na infância. Eu sou uma pessoa sonhadora por natureza, então quebrar esse paradigma do molde para mim é super bem vindo. Vou conferir mais sobre o livro, pois fiquei super curiosa. Adorei!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Ainda não conhecia essa obra, mas vendo sua resenha, pude perceber o quanto ela é intensa! Infelizmente é uma realidade. Muitas crianças, às vezes, não conseguem aproveitar essa fase de inocência e precisa amadurecer antes do tempo. Fiquei curiosa para conhecer mais.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma