Header Ads

Resenha – O Oráculo da Lua Vermelha


Há alguns anos, uma querida amiga que já não divide este plano conosco, me ensinou a arte das cartas, apesar de não ser um conhecimento que eu me aprofunde para utilizar, gosto de explorar sempre que possível, bem como aprofundo e exploro meu conhecimento sobre a psique e o feminino sagrado. O oráculo da Lua vermelhaMensagens de Sacralidade Feminina Interior para Vivenciar o seu Ciclo Menstrual de Forma Plena e Criativa, de Miranda Gray, Editora Pensamento, traz esses três elementos, psique, feminino sagrado e cartas do oráculo, de forma a resgatar o feminino que nos habita.

 

É interessante frisar, entretanto, que esse feminino não depende de um útero, ele se materializa na energia feminina que habita em todos os seres vivos deste planeta. Obviamente, cada um com suas experiências sensoriais regidas pelo ciclo da lua.

 

A Deusa é a origem do nosso ser. Com seu fluxo mutável de energias, dançamos sob as fases da lua, sentimos as transformações da Terra, de nossa natureza adaptável, da vida e dos quatro arquétipos da Deusa

 




Imaginem uma sociedade em que o homem se reconecta e cura seu arquétipo feminino por meio da integração com Gaya? Imagine esse conhecimento vivencial sendo transmitido por gerações? Por meio da expressão da Divindade Feminina, as quatro Deusas arquetípicas se manifestam: a Deusa Donzela, a Deusa Mãe, Deusa Feiticeira e Deusa Anciã. Cada uma é representada pelas fases da lua e ciclo menstrual. Ou seja, é o ciclo simbólico do nascimento, morte e renascimento.

 

Quando aceitamos cada arquétipo à medida que ele flui através de nós e se expressa no mundo; quando dançamos sua música e seu estilo de dança, tornamo-nos uma encarnação da Deusa Cíclica, equilibradas em nosso fluxo da escuridão à luz, da luz à escuridão, do mundo interior ao mundo exterior, e deste de volta ao mundo interior. Em um fluxo contínuo, passamos dos primeiros brotos da semente para a flor, desta ao fruto maduro que cai e, deste, mais uma vez, à semente adormecida”.

 

Depois de uma ligeira explanação do que vem a ser o Oráculo da Lua Vermelha, a autora ensina como usar as cartas nesse processo de caos e cosmo, vida-morte-vida; como guarda-las; como criar a Tigela do útero, mesmo para quem não tem ciclo menstrual ou útero; técnicas de meditação para que possamos vivenciar essas energias de forma harmoniosa e consciente.

 


Esse não é meu primeiro contato com o trabalho de Miranda Gray, já li Lua Vermelha e utilizei algumas técnicas contidas no livro para compreender meu ciclo menstrual outrora tão sofrível. A autora se utiliza da natureza mística e espiritual de sua obra, para nos convidar ao resgate da ancestralidade. 


5 comentários:

  1. Nossa, nunca tinha ouvido façar dessa autora, eu gosto muito dessa coisa de nos reconectarmos com nós mesmas e nos enterdemos, é sempre um processo incrivel e que agrega demais na nossa vida.
    Já vou procurar esse livro pois preciso dele pra ontem. adorei seu post!!

    ResponderExcluir
  2. Esse não é um tipo de obra que desperta meu interesse, mas o fato de ter ajudado você de alguma forma e até mesmo explica como nos reconectarmos e nos entendermos, é algo interessante. Acho que isso ajuda em muitas questões e momentos de nossas vidas.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Não conhecia essa autora nem o livro ainda, mas parece ser uma leitura bem interessante e proveitosa, que com certeza vai me tirar da minha zona de conforto, rs. Adorei a resenha e dica!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Interessante a mistura de temáticas nos livros. Admito que tenho conhecimentos bem básicos sobre cada assunto, sendo de importância conhecer o livro. Acho super que daria uma chance, e ele parece ser uma edição linda também. Adorei e com certeza dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Acho muito interessante esse assunto, mas confesso que não entendo nada, hahaha. Também, eu nunca li nada que aborde o tema, acredito que por medo de não compreender tudo que há para aprender, mas admiro muito as pessoas que entendem e transmitem tudo isso. Já tinha visto outra resenha sobre esse livro, mas agora gostei ainda mais de conhecê-lo melhor.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma