Header Ads

Resenha – Mater Ex-Crita

 

Eugenio Zampighi (Pintor e fotógrado italiano (1859-1944))


Mater Ex-crita foi meu primeiro contato com a escritora Márcia Marques-Rambourg, Editora Oficina Raquel, por meio do aplicativo Ubook, versão e-book. Como é um livro de apenas 40 páginas, a leitura foi rápida e a escolha feliz. Com 24 poemas, a autora convida já pelo título peculiar que remete do Latim. Mater – Mãe, e que mãe é essa que se desenha no verbo poético da Márcia?

 

Tua maternidade

deu-me

Estas linhas órfãs

Este trinta e um

ordinário

Deu-me a

ausência da Mãe

Da Terra, do

peito

Do colo vivo

Da mão aberta

Deu-me linhas

sonoras

Dor e água.

A mãe da saudade e já não se faz presente no dia a dia, no toque, no colo. Apresenta-se no choro, nas lembranças. Há uma mãe universal, simbólica que gera identificação e acalento. Uma mãe que “Deixaste-me adjetivos”.

 

o beijo da mãe

apareceu-me na

noite

vozes delicadas

em tons raros;

costurou-me

linhas de amor

dessas que o

tempo negava

na necessidade da

consciência clara.

 



Durante os sonhos que outrora já fora velado pela mãe, essa mesma mãe agora ausente pela transição vida-morte, se faz presente com seu amor, esse que se eterniza pelo inconsciente e na influência arquetípica. Quando a mãe não é mais, a quem conduzimos nossas necessidades? Seria uma mãe que nos mantem conectados com a nossa criança interior? Essa é a mãe muito mais ampla e complexa que perpassa nossa própria mãe por ser ancestral e arquetípica.


8 comentários:

  1. Oi Lilian

    Menina esses poemas pegaram forte, eu já falei que não sou muito bom com poemas, mas quando de fato consigo entender sua mensagem é sempre muito legal e esses dois falando sobre a falta/ausência da mãe e como isso afeta o eu lírico, me lembrou bastante da minha avó, além de dar um apertinho por saber que um dia minha mãe também irá me deixar essa mesma sensação.

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  2. Oi Lilian.
    Eu não tenho muito hábito de ler poemas, mas quando venho aqui no seu espaço e encontro poemas incríveis sempre deixa aquele gostinho de mais e vontade de embarcar na leitura do gênero. Este livro eu não conhecia e achei interessante porque ainda não conheço o aplicativo Ubook. Depois vou visitar o aplicativo para conferir os livros que contém.

    Bjos
    https://consumidoradehistorias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Lilian!

    É muito raro eu ler poemas, mas quando leio não são tão profundos como Mater Ex-crita. Procuro por coisas fortes e essa me deixou com muita curiosidade para saber mais. Por ser pequeno, vou encaixá-lo na minha TBR de abril!

    ResponderExcluir
  4. Olá!

    Eu leio alguma coisa de poemas e sempre analiso pelo lado emocional, não conhecia a autora e seu trabalho, mas mãe é um tema tão amplo e rico que rende beleza e tristeza juntas.

    Gostei muito dos poemas e da sua resenha, parabéns pelo trabalho.

    Beijos
    Thayza
    Leitura Terapia

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma