Header Ads

Resenha – O que é Ideologia #ProjetolendoPrimeirosPassos

 


Para Marilena Chauí, no livro O que é ideologia, Editora Brasiliense, 1992, o conceito de ideologia ultrapassa a noção de um conjunto de ideias. Em sua visão, embasada pelo Marxismo e dividida em três capítulos  “Partindo de alguns exemplos”, “Histórico do Termo” e “A Concepção Marxista de Ideologia”, a autora convida a entender “por que a ideologia é possível: qual sua origem, quais seus fins, quais seus mecanismos e quais seus efeitos históricos, isto é, sociais, econômicos, políticos e culturais”.

 

No primeiro capítulo, Chauí aborda a teoria aristotélica das quatro causas para explicar a ideologia dentro de um contexto histórico, social e político. A Teoria das quatro causas tenta explicar o movimento, porém, essas causas não possuem o mesmo valor, existe uma hierarquia para defini-las. Ou seja, existe valor nessas causas, a mais importante ou valiosa é a causa final e de menor valor é a ação “(a operação de fazer a causa material receber a causa formal, ou seja, o fabricar natural ou humano)”.

 


Haveria, então, uma causa material (a matéria de que um corpo é constituído, como, por exemplo, a madeira, que seria a causa material da mesa), a causa formal (a forma que a matéria possui para constituir um corpo determinado, como, por exemplo, a forma da mesa que seria a causa formal da madeira), a causa motriz ou eficiente (a ação ou operação que faz com que uma matéria passe a ter uma determinada forma, como, por exemplo, quando o marceneiro fabrica a mesa) e, por último, a causa final (o motivo ou a razão pela qual uma determinada matéria passou a ter uma determinada forma, como, por exemplo, a mesa feita para servir como altar em um templo). Assim, as diferentes relações entre as quatro causas explicam tudo que existe, o modo como existe e se altera, e o fim ou motivo para o qual existe.

 

No capítulo intitulado “Histórico do Termo”, a autora, como o próprio nome diz, faz um recorte histórico do termo ideologia, que surge pela primeira vez em ‘1801 no livro de Destutt de Tracy, Eléments d'ldéologie (Elementos de Ideologia)’. Augusto Comte também fez uso do termo e ideologia passa a ter dois sentidos.

 

O termo, agora, possui dois significados por um lado, a ideologia continua sendo aquela atividade filosófico-científica que estuda a formação das idéias a partir da observação das relações entre o corpo humano e o meio ambiente, tomando como ponto de partida as sensações; por outro lado, ideologia passa a significar também o conjunto de idéias de uma época, tanto como “opinião geral” quanto no sentido de elaboração teórica dos pensadores dessa época.

 

Além de Comte, Durkheim faz uso do termo com a finalidade de transformar a sociologia em ciência. “Durkheim chamará de ideologia todo conhecimento da sociedade que não respeite tais critérios”.

 

Essa atitude é ideológica por três motivos: em primeiro lugar, porque é subjetiva e tradicional, revelando que o pensador não tomou distancia com relação à sociedade que vai estudar; em segundo lugar, porque, formando toda a bagagem de idéias prévias do cientista suas pré-noções ou pré-conceitos, a ciência acaba indo das idéias aos fatos, quando deve ir dos fatos às idéias; e, em terceiro lugar, porque, na falta de conceitos precisos, o cientista usa palavras vazias e as substitui aos verdadeiros fatos que deveria observar. A ciência é substituída pela invenção pessoal e por seus caprichos, ou, como diz Durkheim, a arte ocupa o lugar da ciência (entendendo-se por arte a engenhosidade, e não, evidentemente, as “belas-artes”).

 

Por fim, o último e mais longo capítulo, A Concepção Marxista de Ideologia, a autora explica a relação de ideologia, divisão social e trabalho visto que para Marx, por meio da ideologia que as massas são alienadas e a burguesia continua no poder, isso maquiando a realidade. Marilena Chauí explica isso de forma simples, visto que o livro é destinado para jovens e leigos. O que é ideologia foi selecionado para Leitura do Projeto Primeiros Passos em parceria com o blog Na Literatura Selvagem, para acompanhar a resenha, clique aqui.


6 comentários:

  1. infelizmente esse titulo eu não tive chance de ver na época da graduação, embora houvessem referências a ele. sigo na busca de encontrar um exemplar em algum sebo, faria um belo diferencial pra mim.
    Gosto dos textos de Chauí.
    <3

    ResponderExcluir
  2. Acredito que essa leitura seja enriquecedora demais, anotei o título por aqui para futura compra, desejando conhecer mais a fundo o que a obra aborda.

    ResponderExcluir
  3. Oi Lilian.

    Que projeto interessante que você está participando e gostei de conhecer um pouco sobre a coleção Primeiros Passo. Ela teve conter vários livros importante para sociedade. Com certeza quero acompanhar suas opiniões sobre os livros que você escolheu dessa coleção. Parabéns pela resenha e mostrar que ideologia pode ser explicada de forma simples.

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas já li outro da Marilena Chauí quando estava na faculdade, só não lembro muito dos detalhes, porque foi há alguns anos já e minha memória não é das melhores kkkk. Mas achei legal saber que ela traz as explicações de forma mais simples, o que facilita a leitura. Adorei a resenha e conhecer mais sobre a obra.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem? Adorei demais o diálogo que o livro pode trazer. Isso me lembra muito o que estudei há anos em sociologia e o quanto o professor debatia acerca do assunto, e com certeza, essa seria uma excelente obra para a época. Pensando que quando começamos, eramos leigos no assunto. Excelente dica!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, eu não conhecia o livro e como ando tendo novas leituras de gêneros diferentes creio que seria bom para entender mais sobre ideologias.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma