Header Ads

Batalhar como tartaruga recém-nascida / Adriel Alves

 



SOBRE VIVÊNCIA

 

Batalhar como tartaruga recém-nascida

Esquivando das gaivotas

No rumo já desenhado em seu DNA.

 

Rumar como elefantes

Fazendo deserto comer poeira

no rastro da água.

 

Avoar como ave de arribação

Carregando distâncias sob as asas

sem (re)pouso.

 

Guardar sementes para o inverno

à moda de um esquilo

e esquecer dos paradeiros,

fecundando árvores.

 

Sobreviver é o preâmbulo da vida

Por isto me mato para viver

Provo do veneno e do antídoto

Para fabricar minha cura.

 

SEMENTE

 

Entre as paredes de um grão

Dorme em silêncio a planta

Acorda com o choro do céu

Boceja então o verde

Estirando a língua

Para falar com o celeste.

 

Os dedos nodosos das árvores

escreveram as folhas do grão

A terra adota semente abandonada

Que longe da mãe já sabe o destino

Bebe o leite do solo para corar o viço

Aprende a andar no rastejo

Até passar da flor da idade

e ir em busca da primavera

Fornicada então pelas abelhas

Que rompem o hímen das flores

Delas se pare o fruto carnudo

Até cair do alto em outras mãos

Que hão de devorá-lo

e apartá-lo da mãe

Para que embrione outra vez

no útero da terra.

 

CARAMUJAR

 

Caramujo desaguando na parede

Ensina-me que a pressa é um delírio

O olhar feito raio não contempla

A pressa é artifício da fera humana

Se corra na velocidade das plantas

De passo não depressa

não paquerado pelo olho nu

Desmire o quilômetro por hora

Tudo que não se mede é desmedido.

 

Não se faz flor da noite pro dia

Como se faz um ofício ou um poema

O tear das pétalas faz trama imprevisível

A floração é alta costura.

 

Meu olhar fadigado de tanto ver coisa

Só quer fechar os olhos

para o que não for beleza.

 

Sobre o autor:

Adriel Alves nasceu em Fortaleza-CE no ano de 1989, atualmente reside na cidade de Paracuru, também no litoral cearense. Graduado em Tecnologia em Hotelaria pelo IFCE, exerce o ofício de conciliador como servidor do judiciário da Comarca de Paracuru. Escreve poesias, contos e crônicas nas redes sociais.

Redes Sociais: Instagram: @purapoesiaa / Medium: Adriel Alves

Nenhum comentário

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma