Header Ads

Resenha – Fio de Corte

 



O livro Fio de Corte, lançado este ano pela 7Letras, é um diálogo consciente entre as autoras Angela Brandão, Ilana Eleá e Lucelena Ferreira, onde cada uma em seu casulo tece um eco que atinge lonjuras e a outra ouve, declama junto, cria e recria no mesmo compasso. A poesia em coro.

 

“Se espremer direitinho,

quase tudo cabe

no imprensado das convicções

e no silêncio das notícias.

(...)”

 

(Angela Brandão)

 

Dividido em três partes, onde cada uma corresponde a uma autora, Fio de Corte já estabelece uma noção de espaço geográfico, distância física, mas, sem, contudo, alimentar uma fissura ou o distanciamento de ideias, almas, arte, amizades. De modo que, na poesia, esses corpos resistem e na arte, cria-se a ponte com o sensorial e o coletivo.

 

Nos quantos da quarentena,

estamos irmanados por esse nó

na garganta.

A resguardar resistência,

me alvéolo nas cavidades

da poesia.

E ela me salva

em sua cela de mel.

Ela sempre salva,

arregaçada

sob os véus da covardia.

 

(Lucelena Ferreira)

 

Na palavra dessas três autoras as lonjuras não são tão distantes e as fronteiras não são aviso de guerra, mas de subjetividades do Eu, das experiências e trocas, do outro que atravessa a existência e deixa rastros, imagens, poeira, vento, marcas, saúde, alívios, feridas, fragmentos, cicatrizes. É um viver e desviver sem interrupções, um movimento contínuo do outro com o Eu e vice-versa.

 

Batuque

Uma estrangeira

autoexilada por amor

desmancha a nebulosa

à entrada do repinique

É o apogeu da terra

o batuque psicografando

seus quadris de rio!

 

(Ilana Eleá)

 

Com um tom intimista, Fio de corte traça uma linha, ou cortes, de novas perspectivas de relatos de almas a serem exploradas e transformadas pelo encontro. Escrita por três autoras brasileiras vivendo e países distintos (Brasil, Chile e Suécia), a obra, segundo Heloisa Buarque de Hollanda, “desliza liquidamente e com firmeza do início ao fim”.  


2 comentários:

  1. Oi Lilian.

    Achei bem interesse descobrir que este livro foi escrito por três autoras brasileiras vivendo em países e com rotinas diferentes. Isso deve trazer uma escrita com emoções variadas. Deixou uma vontade de conhecer as poesias mais detalhadas. Parabéns pela resenha.

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Essa coisa de cada autora em um país com vivências distintas e que conversam por parte da arte e mostram que não existe distância para o sentir e o compartilhar me deixou bem animada para conferir esse livro. Muito obrigada pela indicação.

    Beijos
    Leitura Terapia

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma