Releituras - A Casa dos Budas Ditosos




15 abril 2015



A Casa dos Budas Ditosos, João Ubaldo Ribeiro, coleção Plenos Pecados, Objetiva Editora, 163 páginas, é mais uma obra-prima do autor, onde o foco norteador é a Luxúria. Quem ainda não conhece o João, nada leu sobre, sugiro que inicie com Viva o povo brasileiro, de qualidade prazerosa e essencial. Mas, voltemos ao livro em questão...

A Casa dos Budas Ditosos - Ao receber, segundo afirma, um pacote com a transcrição datilografada de várias fitas, gravadas por uma misteriosa mulher, o escritor João Ubaldo Ribeiro não podia imaginar o que o esperava. E o inocente leitor, que sequer pode suspeitar o que o aguarda em cada uma das páginas deste livro. Nelas se conta uma vida. E a suposta autora teria enviado seu testemunho para que fosse utilizado para o volume sobre a luxúria da Coleção Plenos Pecados. O escritor aceitou o oferecimento e o resultado final está agora diante de você. Que deve preparar-se para um relato pouco comum, às vezes chocante, às vezes irônico, sempre instigante. Na verdade, dificilmente a ficção poderia alcançar os limites do que a devassa senhora viveu e narra em detalhes riquíssimos. Se o leitor tem alguma dúvida, ela logo se dissipará, neste fascinante mergulho na vida espantosa de uma mulher sem dúvida excepcional, cuja narrativa alcança as dimensões de um retrato sociológico de toda uma cultura e uma geração, envolvendo um dos pecados mais indomáveis, e capitais. A luxúria.


A casa dos Budas Ditosos é o relato da vida sexual de uma mulher; sem romantismo ou camuflagem. Sem puritanismo, visto que a luxúria não permite tal contraponto. Não tem quatro paredes, certo ou errado. Ubaldo desvela um universo livre e selvagem, em que a mulher abre a essência sexual de suas entranhas e diz... diz tudo o quanto ela é capaz e pode realizar em vida.
Também aborda a liberdade sexual da mulher, em muitos trechos, a protagonista relata como precisou maquiar certas situações para não ser perseguida ou caluniada. E isso ainda existe, agora, com a força da internet. Também não era nenhuma ‘santa’, não por fazer sexo, mas por provocar diversos tipos de situações que a colocavam, em certos momentos, quase como um monstro. O que também não a deixava sentir culpa ou remorso... Conservadores podem ter ataque do coração com a obra.


O tom de ironia e sarcasmo rememora em vários momentos o elemento central psicossexual da personagem. A crítica social é de rir e revirar o estômago, pertinente e esdrúxula. Orgias, incesto, voyeurismo, sadismo, masoquismo, feminismo, sodomia etc. não são marginalizados, passam para o centro das atenções, inquietações e reflexões, além da desconstrução de muitos estereótipos.

Atraso, atraso, vivemos segundo regras e padrões para os quais nenhum ser humano foi feito e, claro, ficamos malucos por isso. Não sei se já falei que encaro com piedade a mulher que diz sincera e proibitivamente “meu negócio é homem, minha filha” e frequëntemente, é irrecuperável para uma visão do mundo e uma vida sadias, até porque fortificada por trás de sua muralha de neuroses e crendices. Fico com pena. A bem dizer, fico com pena não só das mulheres como dos homens em condições análoga, fico com pena de todos esses exclusivos de araque. Preferências, sim; exclusividade, jamais.’

Apesar de não recomendar a obra para menores, o livro não é só sacanagem, gente. Alguns trechos são tão hilários que não contive minha maior e mais ousada gargalhada durante a madrugada.

Meu avô materno era aristocrata, elegantíssimo (...), mas, depois que passou de uma certa idade, peidava em público. Assisti a ele peidar na frente do inventor, na época do Estado Novo. (...). Quando minha avó reclamava, ele dizia que o que está preso quer ser solto e todo mundo peidava, inclusive o inventor, então não era ele que, àquela altura da vida, ia arrolhar um peido. Quem quisesse que arrolhasse, mas ele não.

Norma Lúcia é uma amiga, apresentada quase como uma mestra da Luxúria, alguém para ser admirada, uma entidade sexual. Lembrada com saudosismo e que de tanto carinho, merecia um museu ou memorial, coisas do tipo.
A protagonista e narradora, é uma mulher intelectual, faz citações que há muito não via e outras que sequer conhecia. Um desses nome é o Pierre Choderlos de Laclos, vi o nome dele num livro de Linguística (eu acho), há anos, e nunca mais... Ele é francês e sua obra mais célebre é "As Relações Perigosas". Há trechos em que ela se expressa numa língua estrangeira, fiquei voando, salvo os que ela explicava... ainda bem que existe o Google.

O livro, para mim, teve a mesma funcionalidade de um bom Hot. Sim. Causou o mesmo efeito sensorial. Mas, vou logo advertindo, não quer dizer que cause em todo mundo, alguns amigos não tiveram a mesma sorte que eu...
‘A casa dos budas ditosos’ é erótico, libertador, feminino, feminista, machista, difícil, humano, cruel, filosófico, encantador, divertido, enigmático. Minha vontade era de conhecer a personagem do livro e conversar com ela... na obra, ela já não é mais jovem, mas suas palavras têm a força da vida eterna...
Esse é o tipo de livro que simples resenhas não são capazes de abarcar sua grandiosidade, recomento, para maiores de dezoito, que leiam, mas abertos e dispostos a desconstruir e desaprender algumas vezes. A obra teve adaptação teatral com a atriz Fernanda Torres. Nunca tive o prazer de ver, mas quem sabe um dia...


Reli o livro nesse último fim de semana, junto com Filhos de Lilith, de Elaine Velasco (ver resenha) e O Conto da Ilha Desconhecida, de José Saramago, umas das próximas resenhas do ‘Releituras’. Espero que vocês apreciem essa coluna semanal, destinada a livros que já apreciei, mas nunca fiz resenha para o mundo virtual.

Fazer releituras é um hábito constante, com A casa dos Budas ditosos a sensação é que estava mais madura para a leitura. A primeira vez, eu gostei muito, mas não existiu a relação sensorial e me parece que deixei escapar alguns elementos. Outro detalhe é que conseguir fazer ligações intertextuais bem rápido, os ‘insights’ eram momentâneos ao tempo do trecho lido. Acredito que o motivo seja que o tempo que se passou, eu li outras coisas, mais teóricos, minha experiência pessoal aumentou, 2014 não foi um ano fácil, minha relação com os livros muda diariamente, parafraseando Heráclito, a água que passa hoje no rio não é a mesma água de ontem, somo fluídos e mutáveis, nascemos e morremos todos os dias. 

21 comentários:

  1. Eu gostaria de reler alguns livros... E terminar os novos. Mas tem tanto artigo da faculdade pra ler já, que acabo me cansando! :/
    Sobre o livro, eu acho interessante, até certo ponto. A temática do livro em si não me agradaria a ponto de comprar e ler. Mas acho que legal o fato de ser a mulher sabe. Mulher pode fazer nada que é feio, isso enche o saco, então apoio tudo (ou quase) que incentiva a mulher a fazer o que ela bem entender. Acho que é isso, hehe! Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    acho que curiosa é a palavra para descrever como me sinto agora, confesso que se visse esse livro em uma estante não daria muita atenção, mas sua resenha me deixou realmente muito curiosa, tenho costume de ler livros Hots porém acho que esse pode ser uma nova experiência para mim.

    beijão*...*
    http://notinhasderodape.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Esse livro tá na minha listinha há um bom tempo... gostaria de conhecer a obra de Ubaldo com ele, mas já me falaram de Viva o povo brasileiro tbm...
    Mas creio que a temática de A casa dos Budas é mais minha cara...
    bj, Lili ^^

    ResponderExcluir
  4. Olá, esse livro olhando não seria um que eu leria, mas depois, conforme fui lendo sua resenha ele foi entrando na minha listinha de desejados. Gostei dessa abordagem da liberdade sexual da mulher, então eu curti muito, por conta dos temas!
    Beijos
    cheireiumlivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá :) Bem, eu não gosto de livro nesse estilo, rs mas, fiquei com curiosidade, gosto de fazer leituras de livros diferentes. Sem dúvida, é um assunto de certa forma "polêmico" e chama atenção, kkkk :o acredito que "A Casa dos Budas Ditosos" aborda o "sexo" de uma boa maneira, pois, tornar-se mais agradável por ter partes divertidas. :D Adorei a resenha! *-* ;) Beijos!
    Blog: http://my-stories-wonderful-books.blogspot.com.br/
    Página: https://www.facebook.com/BlogWonderfulBooks

    ResponderExcluir
  6. Que intrigante já tinha ouvido esse titulo mais
    não sabia que se tratava da vida sexual de uma mulher
    fiquei bem interessada em ler

    Linda Tarde!
    beijokas da Nanda

    Mamãe de Duas

    ResponderExcluir
  7. Tenho alguns livros para ler e terminar,mas nenhum deles tem essa proposta,que me interessou bastante,algo que eu nunca havia me interessado a ler,mas sua resenha aborda esse tema sexual até interessante

    www.alfragadesign.com

    ResponderExcluir
  8. Eu li muitos clássicos, mas não tive a oportunidade de ler João Ubaldo Ribeiro. Estudei sobre, mas nenhuma leitura. Não cheguei a ficar interessada pra valer... de total desinteresse que eu tinha, agora até que fiquei curiosa. Não é o estilo que eu gosto, mas já li muito sobre e me pareceu um excelente livro. Curiosa... Excelente sua resenha, impressionada com a sua forma de escrever, parabéns!
    Alessandra | www.ale-dreams.net

    ResponderExcluir
  9. Nunca tinha ouvido falar do livro, Lilian. Nem do autor. Deu até uma vergonha aqui, olha.
    Amei sua resenha e o modo como você a conduziu. A obra recordou-me outro autor nacional que tive o prazer de resenhar, Jim Carbonera. Li apenas Verme!, que pode ser light perto de A Casa dos Budas Ditosos, mas ouvi (e li) dizer que Divina Sujeira, também do Jim, consegue ser altamente polêmico e três vezes mais cru do que Verme!. Então é uma leitura que super recomendo.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando: Livre-se você também!

    ResponderExcluir
  10. Oiii amei a sua resenha sobre esse clássico e menina uma observação antes de falar do livro em si... como você consegue ler tantos livros ou mesmo tempo? hahaha
    Agora sobre o livro: ele parece ser bom realmente e é um clássico muito comentado, mas nao tenho o costume de ler clássicos e eu sei que isso é feio demais alem do mais esse tema sobre muito sexo, mesmo não sendo um livro hot acho que não me interessaria... sou mega chata com isso

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  11. Eu ainda não conhecia o livro, apesar de já ter lido livros dele. Não me chamou tanto a atenção, mas por ser dele, vou deixar anotado ^.^

    ResponderExcluir
  12. Oláá
    Nossa, a sua resenha ficou excelente, adorei saber mais sobre o livro, afinal, sempre escuto falar ultra bem do autor e tudo mais, parece ser realmente uma leitura mais complexa e diferente, então eu leria mais só daqui um tempinho hahaha

    http://realityofbooks.blogspot.com.br/
    Catharina
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. A palavra "reler" é tão distante de minha realidade...rsrs Tantos livros na estante, tantas resenhas atrasadas...OMG!
    Mas esse livro, vou te contar. Sempre ouvi falar muito da peça, mas nunca senti vontade de ler o livro, até agora, ao ler sua resenha. Achei seus quotes interessantes e engraçados, do tipo que faz a gente se pinicar pra ler o livro todo, e assim que puder vou ler, com certeza.
    Obrigada pela dica.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  14. Oi Lilian, tudo bem?
    O que mais gosto aqui no Poesia é a diversidade e gostei bastante da ideia da coluna Releituras.
    Não conhecia a obra e como não sou nem um pouco conservadora acho que irei gostar. Espero ter oportunidade de ler.
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  15. Eu não conhecia, mas sua resenha me intrigou!
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  16. Lilian ri muito com seu comentário que p livro não é só sacanagem kkkk, nem deve ser , caso contrário a leitura perde muito da essência que é levar emoções ao leitor. No momento não leria. Mas deixei anotado. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  17. Hey, tudo bem?

    Fiquei muito curiosa com esse livro. Não o conhecia, mas pelo que pude interpretar da sua resenha ele possui diversas facetas, até mesmo aquelas que podem ser o oposto uma da outra, como feminismo e machismo, então estou tentando imaginar como o Ubaldo conseguiu equilibrar isso dentro de uma narrativa. Muito interessante mesmo.

    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  18. Bom dia,

    Não li nada do autor ainda e tenho curiosidade, não conhecia o livro e achei interessante e vou seguir a sua dica.....abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi Liliam, é a primeira vez que leio uma resenha sua (acho), gostei bastante, e a obra me despertou o interesse muito grande, não conhecia o autor e nem a obra. Vou anotar a dica aqui e espero ler logo, logo e também espero ter o prazer de ver a adaptação do mesmo.


    Bjuus!
    http://livrosseriesecitacoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Oiee ^^
    Acho que já tinha lido algumas coisas sobre esse livro, mas não tinha muita curiosidade de ler. Já coloquei na listinha de desejados, primeiro porque as palavras "feminismo" e "liberdade sexual da mulher" chamaram a minha atenção, e segundo porque a protagonista parece ser uma mulher incrível. Adorei a sua resenha :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Menina, essa resenha está em outro nível. Eu adorei. Não conhecia o autor e acho que vou seguir a sua dica de ler Viva o povo brasileiro antes, mas não serei hipócrita em não dizer: esse livro que resenhou ganhou minha atenção de um jeito que, confesso, acho que o lerei antes (haha). Gostei muito do modo como destacou o estilo narrativo e os temas que o livro aborda. Senti certa semelhança com Bukowski.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma