Resenha - Espera a primavera, Bandini.




26 fevereiro 2016


Que tipo de efeito podemos esperar de John Fante? No livro Espera a primavera, Bandini, Grupo Editorial Record, 204 páginas, o autor anuncia o caos invernal. O inverno, capaz de congelar o próprio espírito, carrega, em sua brancura da neve, a aspereza e desesperança humana.

Svevo Bandini é um homem de estações que no inverno se traveste de niilista, casado com Maria, mulher apaixonada, e pai de Arturo (Alter ego de Fante), Frederico (filho mais novo) e August (queria ser padre).  Para Arturo Bandini a primavera é a única opção de dias melhores.  Jovem que não suporta sua condição pobre, filho de imigrantes italianos e marginalizado. A miséria de sua família é o palco da miséria humana onde dança a neve.

“Seu nome era Arturo, mas ele o detestava e queria se chamar John. Seu sobrenome era Bandini, mas queria que fosse Jones. A mãe e o pai eram italianos, mas ele queria ser americano. O pai era pedreiro, mas ele queria ser um lançador dos Chicago Cubs. Morava em Rockling, Colorado, população: 10 mil, mas ele queria morar em Denver, a 50 quilômetros dali. Seu rosto era sardento, mas ele queria que fosse limpo. Frequentava uma escola católica, mas queria ir para a escola pública. Tinha uma namorada chamada Rosa, mas ela o detestava. Era coroinha, mas era um demônio e detestava coroinhas. Queria ser um bom menino, mas tinha medo de ser um bom menino porque receava que seus amigos o chamassem de bom menino. Era Arturo e adorava o pai, mas vivia no temor do dia em que cresceria e seria capaz de bater nele. Venerava o pai, mas achava que a mãe era fraca e tola.”


Um dia, a mãe de Maria, Donna, resolve visitar a filha, a mulher já é conhecida por sua aspereza e ódio contra Svevo, que retribuía de bom grado o ódio; e para não encontra-la, sai de casa e desaparece por dez dias, até que sua família descobre que ele está com uma viúva rica. Arturo, que vive uma relação de amor e ódio com a família, logo capta a tristeza da mãe, sempre tão devota e incondicionalmente apaixonada pelo pai, então, resolve carregar o ônus de devolver a felicidade de sua mãe, que certamente, mora na primavera.  


Sarcasmo, humor e desventura darão ritmo a leitura do primeiro livro de Fante, publicado inicialmente em 1938. Fante declarou que depois de escrever, nunca mais leu a obra, que se tornou um clássico. Charles Bukowski, que idolatrava o autor, resume sua obra da seguinte forma: ‘‘Aqui, finalmente, estava um homem que não tinha medo da emoção. O humor e a dor entrelaçados a uma soberba simplicidade. O começo daquele livro foi um milagre arrebatador e enorme para mim.’’

Por Lilian Farias

8 comentários:

  1. Oi! Tudo bem?

    Acho os livros resenhados nesse blog muito interessantes! Fogem do padrão que estou acostumada. Esse parece-me um livro muito bom e instigante. Darei uma chance a ele, principalmente pela citação de Bukowski sobre ele. Além disso, adorei saber que o autor nunca mais leu a obra após terminar de escrevê-la.

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, mas pela resenha não é um que me agrada. Parece bem paradão. Não sei. rsrs

    Beijos, Thay Rocha
    www.leitoranamoda.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Oi, Lilian! Apesar de não ter familiaridade com os clássicos, sempre admirei seu gosto literário, que trazem ao seu blog resenhas maravilhosas como esta *-* Confesso que não conhecia a obra, mas fiquei muito interessada pelo enredo, pois sua resenha deixou todo um mistério ao redor dos acontecimentos que fiquei muito curiosa para saber o que acontecerá com os personagens. Com certeza é uma obra que lerei quando tiver a chance. Adorei a indicação!

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia nada desse livro e muito obrigado pela ótima resenha!
    A Trama parece ser bem envolvente e usa de elementos que certamente prende o leitor.Quero!
    Adorei.
    Beijo!

    http://estantelivrainos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Confesso que não conhecia a obra, gostei da premissa, a trama parece envolver o leitor e utiliza de diversos elementos interessantes. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olha, o quote até que me atraiu, mas não tenho certeza do que esperar desse livro, não fiquei com vontade de ler, isso de desesperança humana não é algo que costuma me atrair em uma narrativa. Não tenho a menor ideia de quem é Fante, mas vou pesquisar, estou fraca de clássicos. :/

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Eu não conhecia o livro, mas pelo que você escreveu na resenha parece ser uma obra instigante. Confesso que a capa não me chamou atenção e como não conheço o autor, não sei se leria. Mas acho que vale a pesquisa. Bela resenha, por sinal. Aqui sempre encontro livros diferentes do que eu to acostumado a ver. Bom que abre os horizontes :)
    Beijos

    Academia Literária DF

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Não conhecia esse livro, mas confesso que não é muito meu estilo e mesmo uma resenha bem escrita como a sua não conseguiu me convencer, rs
    Porém a premissa parece ser bastante interessante.

    Bjs!

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma

 

SKOOB

Arquivo do Blog

Direitos autorais

Copyright © 2015 • Poesia na alma