Header Ads

A ambiguidade do silêncio - por João Estever

Semaforo by lidiacarrion




A ambiguidade do silêncio é como o amarelo de um semáforo: só cai para o impedimento, nunca para a livre passagem. Nunca vi semáforos a mudarem de amarelo para verde, mas sempre de amarelo para vermelho. Ver um sim no silêncio é passar com o amarelo: coisa arriscada, às vezes até um pouco forçada, condescendência de mulher perante o desejo do homem. Já um não augura maiores possibilidades de sucesso: poderá demorar muito, mesmo até uma vida, mas quando mudar será certamente para a cor da esperança.

(joão esteves, in do lado de fora, editora urutau. 2018)

12 comentários:

  1. Caramba! Esse me fez parar pra pensar. Analogia fantástica...
    E eu realmente nunca tinha reparado ou constatado essa questão do amarelo para o vermelho.
    PARABÉNS!! Uma pequena pérola para meu dia.

    ResponderExcluir
  2. Poucas, mas perfeitas palavras.
    A analogia é perfeita, realmente interpretar o silêncio é quase sempre se dar mal mesmo.

    --
    Tiffannyk
    #thereviewbooks | @thereviewbooks
    http://thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
  3. cara, eu li esse textinho e fiquei pensando na frente do computador, nunca tinha pensado nisso. Essa analogia do amarelo pro vermelho, que surreal!!
    interpretar o silencio de alguém é algo tão dificil, porque eu sei o que o meu silencio significa, mas não posso nunca ter certeza do que significa o silencio do outro. que surreal isso!!

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente com o que disse, e há quem diz que quem cala consente será mesmo? O silêncio muitas vezes não diz nada, ora diz muito, porém quem irá arrisca passar pelo sinal amarelo e se deparar com o vermelho lá na frente. E arriscado, e corajoso. Amei o texto super reflexivo.

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Gostei bastante do trecho, acho que faz a gente pensar em quantas coisas positivas acontecem que, talvez, não aconteceram por uma mera sorte ou acaso. Às vezes, a positividade é tao escassa que parece milagre hehe. E bem como ele disse, nos dá esperança. Adorei conhecer esse texto!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Caramba, que trecho mais inspirador e bem escrito! Não conhecia o escritor, mas só por esse trecho já pude notar a familiaridade que ele tem com as palavras. Adorei a postagem!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  7. Um excelente analogia, reflexiva e até necessária em dias que a falta de amor próprio parece falar mais alto, então que possamos ter essa esperança tão bem vinda. Texto maravilhoso.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem? Que texto maravilhoso! Realmente nunca tinha pensando nessa perspectiva, e um bom paralelo para que entendamos o significado da proposta. Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi!

    Gostei da analogia, fiquei pensando aqui com o celular na mão durante uns bons minutos. Vale a pena a reflexão!

    ResponderExcluir
  10. Olá

    Realmente o amarelo de aviso nunca vi. Claro que aquelas poucas exceções que temos um aviso de que algo ruim vai acontecer e nos preparamos, mas em 98% das vezes somos tomados pelo repentino e temos que viver com essa instabilidade, como num caso de morte inesperada - precoce - que nos choca e nos destrói.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Como pode um trechinho tão curto ser capaz de falar tanta coisa sobre nós mesmos, né? Impressionante isso. É bacana quando o autor propõe reflexões para além da literatura. Obrigada por esse post tão maravilhoso.

    ResponderExcluir
  12. que lindo texto, Lili. Eu fico encantada toda vez que entro aqui. tu sabe disso <3

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma