Header Ads

Três poemas de Augusto dos Anjos

 



SOLITÁRIO

 

Como um fantasma que se refugia

Na solidão da natureza morta,

Por trás dos ermos túmulos, um dia,

Eu fui refugiar-me à tua porta!

Fazia frio, e o frio que fazia

Não era esse que a carne nos conforta...

Cortava assim como em carniçaria

O aço das facas incisivas corta!

Mas tu não vieste ver minha Desgraça!

E eu saí, como quem tudo repele,

– Velho caixão a carregar destroços –

Levando apenas na tumbal carcaça

O pergaminho singular da pele

E o chocalho fatídico dos ossos!

 

O DEUS-VERME

 

Fator universal do transformismo,

Filho da teleológia matéria,

Na superabundância ou na miséria,

Verme – é o seu nome obscuro de batismo.

Jamais emprega o acérrimo exorcismo

Em sua diária ocupação funérea,

E vive em contubérnio com a bactéria,

Livre das roupas do antropomorfismo.

Almoça a podridão das drupas agras,

Janta hidrópicos, rói vísceras magras

E dos defuntos novos incha a mão...

Ah! Para ele é que a carne podre fica,

E no inventário da matéria rica

Cabe aos seus filhos a maior porção!

 

RICORDANZA DELLA MIA GIOVENTÚ

 

A minha ama de leite Guilhermina

Furtava as moedas que o Doutor me dava.

Sinhá-Mocinha, minha mãe, ralhava...

Via naquilo a minha própria ruína!

Minha ama, então, hipócrita, afetava

Susceptibilidades de menina

“– Não, não fora ela –” E maldizia a sina,

Que ela absolutamente não furtava.

Vejo, entretanto, agora, em minha cama,

Que a mim somente cabe o furto feito...

Tu só furtaste a moeda, o ouro que brilha...

Furtaste a moeda só, mas eu, minha ama,

Eu furtei mais, porque furtei o peito

Que dava leite para a tua filha!

 

(Augusto dos Anjos. Eu e Outras poesias. Coleção L&PM Pocket. 1998. Eu e outras poesias inclui o livro Eu (1912), único livro publicado em vida, e poesias publicadas de forma esporádica durante sua vida)

18 comentários:

  1. Oi Lilia, sua linda, tudo bem?
    Esse nome não me é estranho, acho que eu devo ter lido algo sobre o autor na escola, não lembro mais. Gostei muito do estilo dele. Só aqui no seu blog que eu tenho acesso à poesia. Por favor continue trazendo mais autores clássicos a nossa literatura!!
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente não conhecia o autor , mas amei as poesias , eu não sou muito de ler poesia mas adoro quando me deparo com uma sabe? É gratificante ler algo tão profundo tão cheio de significado , adorei de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Li apenas dois livros dele na faculdade e amei, o autor possui uma escrita impecável. Adorei o primeiro poema.

    ResponderExcluir
  4. Eu aprecio bastante livros de poesia e conhecer novos poemas me deixam instigada. Sou grande fã de edições da Coleção L&PM Pocket. Acho que já li algo de autoria dele, só não me lembro bem. Curto quando cada verso está carregado de significados como estes.

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Lembro do autor quando fazia cursinho pré-vestibular. Tive um ótimo professor e ele sempre incentivava conhecer diversos autores e suas obras. O que mais gosto nesses poemas é a linguagem um tanto rebuscada. Isso sempre despertou minha curiosidade, tentar entender qual era o objetivo ou a mensagem a ser transmitida quando foram escritos. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Eu sou meio problemática com Poesia. Não que eu não goste... longe disso. Mas, nem sempre consigo absorver tudo que deveria. Queria ter mais facilidade com o gênero.
    Suas escolhas foram pontuais! Tudo lindo e tocante. Eu nunca tinha visto poesias do autor...
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  7. Oi, Lilian! Eu sempre tive muita dificuldade com poemas, no entanto tive uma professora de literatura no ensino médio que era bem apaixonada por Augusto dos Anjos e isso me marcou. Lembro dela trabalhar "Eu" com a gente e dizer várias vezes "Hoje é dia do poeta da morte"!

    ResponderExcluir
  8. Aaah Augusto E maravilhoso. Amo essa primeira poesia, é uma das minha preferidas. Vou até dar uma relida no que tenho dele aqui, sempre bom revisitar os versos dele.
    🖤🖤🖤

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Não sei se realmente entendi, ainda sou muito novata em poesia. Mas posso dizer que ainda é muito avançado para mim entender Augusto dos Anjos.

    ResponderExcluir

O Poesia na Alma pertence ao universo da literatura livre, como um bicho solto, sem dono e nem freios. Escandalosamente poéticos, a literatura é o ar que enche nossos pulmões, cumprindo mais que uma função social e de empoderamento; fazendo rebuliço celular e sexo com a linguagem.

@Poesianaalma